Celular Motorola explode; é o quinto caso em dois meses

Os advogados da Motorola estiveram nesta terça-feira, 2, no Hospital Regional da Asa Norte, em Brasília, onde está internada a estudante Leiva Evangelista da Silva, de 34 anos, que no domingo foi vítima de uma explosão de celular. Este é o quinto acidente registrado no País com aparelhos da Motorola, em menos de dois meses.A estudante vive em Planaltina, cidade satélite do Distrito Federal, e estava em seu automóvel, com o celular no colo, quando ocorreu a explosão. De acordo com o boletim médico divulgado hoje pelo hospital, Leiva foi internada com "lesões complexas, além de queimaduras em ambas as coxas". Os estilhaços de vidro e plástico é que provocaram as lesões.Segundo a médica plantonista, Andrea Cristina Monson, é bom o estado da paciente, que vem recebendo doses de antibiótico, e deve ser transferida ainda hoje para o setor de cirurgia plástica. Não foi decidido, entretanto, se Leiva será submetida a algum procedimento cirúrgico.A vítima permaneceu no quarto, em companhia de familiares, e se negou a receber tanto a imprensa quanto os advogados da Motorola. Conforme o relato de familiares, Leiva estava usando o celular poucos instantes antes da explosão. No colo dela também estava um outro aparelho, da marca Nokia, que também teria explodido pelo contato com o Motorola. O caso será investigado pela Delegacia de Polícia de Formosa (GO), onde ocorreu o acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.