Alexandre Carvalho/A2img/Governo de São Paulo
Alexandre Carvalho/A2img/Governo de São Paulo

Cena de 'Malhação' mostra racismo da PM de SP; corporação critica

Novela mostrou abordagem discriminatória de um policial, o que irritou o Comando-Geral da Polícia Militar paulista

Sara Abdo, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2017 | 22h51
Atualizado 01 Junho 2017 | 13h35

SÃO PAULO - Uma cena exibida na novela Malhação, da Rede Globo, que mostra um policial militar com a farda semelhante à da corporação paulista realizando uma abordagem racista a um personagem, levou o Comando-Geral da corporação a reagir criticamente.  Na cena, exibida nesta quarta-feira, 31, um casal de namorados está no trânsito e é detido por dois policiais fardados com uniformes cinzas parecidos com os da PM paulista, mas com o brasão de uma polícia fictícia. Os agentes trataram os adolescentes de forma discriminatória e racista.

Veja a cena:

Para a PM, que reagiu com "indignação", a cena generaliza a instituição ao destacar desvios de conduta, "que são pontuais". Na cena exibida, o rapaz é negro e a garota tem ascendência oriental. Os policiais duvidaram da inocência de ambos  e afirmaram que eles poderiam ser levados à delegacia por desacato de autoridade, e o garoto seria preso imediatamente. 

A exibição fez com que o comandante-geral da corporação, coronel Nivaldo Cesar Restivo, emitisse nota pública em reação. "Ao contrário da cena reportada, a Polícia Militar segue fielmente os princípios constitucionais e basilares do respeito aos direitos humanos, pautada na filosofia de Polícia Comunitária e com ênfase na Gestão pela Qualidade, com intuito de bem servir a sociedade", declarou. 

O oficial ressalta que a instituição é formada por "pessoas dignas" e que são "diariamente chamados e reconhecidos pela nobreza das ações que realizam". "Os feitos positivos da Polícia Militar paulista e as ações destemidas de seus integrantes são evidentes e sobrepõem-se, inquestionavelmente, aos desvios de conduta que são pontuais", reforçou Restivo, que considerou as cenas "lamentáveis".

A Rede Globo disse, em nota, que a atual temporada de Malhação, chamada Viva a Diferença, "se propõe exatamente a discutir as diferenças culturais, sociais, de opiniões, de raça, tão presentes no Brasil."

"A trama explora as dificuldades e as belezas da convivência de pessoas tão diferentes e fala sobre respeitar a opinião, a posição e a cultura do outro. A intenção é mostrar como a convivência entre diferentes tribos pode ser enriquecedora", declarou a emissora. "Como uma obra de ficção, Malhação recria, livremente, situações que podem ocorrer na vida real, buscando apenas tecer o pano de fundo para suas histórias."

Representação

 O episódio desta quarta também motivou a reação do oficial da reserva da corporação paulista e deputado federal Major Olímpio (SD-SP). O  parlamentar reagiu à representação veiculada e protocolou uma representação na Procuradoria-Geral da República e no Ministério das Comunicações, solicitando medidas legais contra a emissora, sob alegação de que teria havido ofensa à instituição pública. 

O deputado entende que a Rede Globo violou os artigos 220 e 221 da Constituição Federal à medida em que não dá preferência a finalidades culturais e informativas.  A Globo informou que não recebeu a representação protocolada pelo parlamentar. "Tomamos conhecimento apenas pela imprensa", declarou a nota da emissora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.