Cenipa investiga pane que provocou queda de jato na Baía de Guanabara

Avião seguia para o Aeroporto Tom Jobim, mas devido à falha, tentou voltar para a pista; Learjet deslizou por 150 metros até cair na Baía de Guanabara

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2010 | 18h40

 

RIO - O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) investiga a pane que provocou a queda da aeronave Learjet 55, da Ocean Air, prefixo PTL-XO, no Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, na manhã desta quinta-feira, 12.

 

Veja também:

linkAeronave acidentada iria levar Xuxa para Recife

linkOceanAir diz que vai investigar acidente

linkVistoria e certificação: tempo cai 88%, diz Anac

mais imagens Confira a galeria de fotos do acidente no Rio

 

De acordo com a empresa de táxi aéreo, o avião seguia para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, mas devido à falha tentou voltar para a pista. No entanto, após o pouso, o jatinho deslizou por 150 metros e caiu nas águas da Baía de Guanabara. Os três tripulantes não ficaram feridos. Eles foram resgatados com o auxílio de um catamarã e lanchas de táxi marítimo.

 

De acordo com a Infraero, o acidente ocorreu às 9h16. "Nós fomos acionados pela Capitania dos Portos para prestar socorro, mas quando chegamos os tripulantes estavam tranquilos e sem ferimentos aparentes. Após o resgate de barco, eles foram direto para o aeroporto. Nós amarramos o avião às pedras para não afundar", disse Fábio Clébio, de 42 anos, piloto da lancha de táxi marítimo Antônio Carlos.

 

Segundo testemunhas, o piloto ainda tentou uma meia volta com uma freada, mas não foi possível conter a aeronave, que ultrapassou as pedras da barragem entre a pista e o mar e acabou na baía. A queda foi em baixa altitude e o avião ficou praticamente intacto dentro d'água com a asa direita totalmente submersa.

 

Memória. Não é a primeira vez que um avião cai nas águas da Baía de Guanabara. Em julho de 1997, o jatinho Citation II, da Riana Táxi Aéreo, levaria até São Paulo a dançarina Valéria Valenssa, seu marido, o artista plástico Hans Donner, e mais três pessoas, para São Paulo, mas não chegou a decolar. A aeronave descontrolou-se na pista e foi parar dentro d'água. Na ocasião, o manche do jatinho travou.

 

Para frear a aeronave, como provavelmente ocorreu no acidente de hoje, o piloto e o co-piloto fizeram uma manobra para que os pneus estourassem, mas não funcionou. Apenas o piloto sofreu um corte no rosto. O resto da tripulação ficou apenas molhada de água e querosene, pois teve que nadar para sair do jato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.