Cérebro é Daniel, coragem é Christian, rebate defesa de Suzane

No início de sua argumentação, o advogado de defesa de Suzane von Richthofen, Mauro Nacif deixou claro que pretendia provar o mentor do assassinato dos pais dela, Manfred e Marísia, em outubro de 2002, foi o ex-namorado da jovem, Daniel Cravinhos. Transformando a frase dita pelo promotor Roberto Tardelli em sua argumentação, Nacif disse que, na verdade, "o cérebro é Daniel, a coragem é Christia". Tardelli acusou tanto Suzane como Daniel de planejarem o crime. "Os dois estavam juntos nessa. Era o casamento perfeito entre o cérebro e a coragem", disse.Após argumentar por cerca de uma hora e meia, o advogado de defesa dos irmãos Daniel e Christian Cravinhos, Geraldo Jabur, cedeu seu tempo restante para a defesa de Suzane, na quinta e provavelmente última sessão do julgamento dos três réus. "Não quero nulidade", disse Jabur. O advogado de Suzane, Mauro Nacif havia dito que pediria a anulação do julgamento caso não tivesse direito a duas horas e meia de argumentação. O juiz Alberto Antonio Filho deu um pequeno intervalo a pedido de Nacif, que pediu para montar uma lousa no palco. Nacif deve continuar com a versão da moça rica, virginal, obcecada pelo então namorado interesseiro e envolvida na trama por ele. A expectativa é que a sentença seja proferida na madrugada de sábado.Após o intervalo do almoço, Nacif, que afirmou desde o começo da semana que tem uma "notícia bomba para estourar" nos sete minutos finais do julgamento, não quis adiantar do que se trata. "Eu respeito muito Chico Xavier e a religião do espiritismo, mas não é uma carta psicografada. Não é um documento que esteja dentro do processo, nem uma carta-bomba também. É um raciocínio, é uma reflexão. Eu só posso fazer isso depois que eu contar toda a história", declarou. Ampliada às 18h38

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.