César Maia defende uso de força máxima no Rio

O prefeito César Maia (PFL) defendeu uso de "energia máxima" com os criminosos que têm aterrorizado o Rio. Ele disse o que faria se estivesse à frente do governo do Estado quando houve a rebelião do dia 11 de setembro no ano passado no presídio Bangu 1: "Ali não tinha conversa. Se eu sou governador naquele momento, entra o Bope (Batalhão de Operações Especiais) e mata quem tiver que matar. Aí eu quero ver esses Niterói, Boa-Vista, Beira-Mar, como eles vão ficar no dia seguinte." E ainda: "Não tinha negociação. Se eles não se deitassem no chão imediatamente, atirava para matar. Porque ou eles são enfrentados dessa maneira ou quem vai ter de se deitar no chão em função do que eles fazem é a população. Isso tem que se inverter. A autoridade se impõe com a energia que for necessária. Se possível, com mandado de prisão; se não for possível, com energia máxima", disse em entrevista à rádio CBN.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.