CET estuda mudar transporte de cargas em São Paulo

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de São Paulo divulgou os primeiros esboços de um plano para melhorar o sistema de abastecimento de cargas da capital paulista. O projeto está em processo de elaboração junto a representantes das transportadoras. O secretário municipal de Transportes, Carlos Zarattini, declarou que o plano continuará em discussão com transportadores, embarcadores e varejistas, e que não há prazo para a sua conclusão.Tanto o governo como os transportadores entendem que a situação não pode ficar como está: pela capital circulam cerca de 200 mil caminhões, ou cerca de 20% de toda a frota nacional. Os problemas de circulação desses veículos são cada vez maiores por causa do trânsito e do aumento da frota de carros de passeio da cidade, calculada em 3,5 milhões. Segundo os especialistas, o temor é de que São Paulo comece a ter, em breve, problemas de abastecimento.Segundo a CET, a Prefeitura deverá atuar em várias frentes: vai lançar uma portaria para padronizar as restrições ao tráfego de caminhões na cidade; vai aumentar a capacidade de uma central de comunicação, controle e monitoramento da CET com os transportadores; vai estabelecer novas zonas de estacionamento de caminhões; e vai estimular as negociações entre transportadores, embarcadores de carga e estabelecimentos para a realização de entregas noturnas ou entregas com hora marcada.Áreas problemáticasO técnico da CET Ronaldo Tonobohn explicou que a Prefeitura detectou quatro áreas mais complicadas para a circulação de caminhões, por causa da grande concentração populacional: centro, região da Paulista, Pinheiros e Itaim. Segundo ele, entre as propostas para melhorar a situação está a descentralização da Ceagesp. A intenção é abrir um terminal da Ceagesp na avenida Jacu-Pêssego, na zona leste.Outra opção é estimular o uso do Rodoanel, já que a CET teme que, quando ficar pronto, o novo corredor viário não venha a ser utilizado por todos os caminhões que passam por São Paulo, provenientes de outros Estados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.