CET faz esquema de emergência, mas trânsito fica lento em SP

O trânsito na cidade esteve complicado durante toda a manhã, em conseqüência da paralisação temporária dos funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), sobretudo os fiscais, os chamados marronzinhos. A greve foi um protesto contra as demissões anunciadas pela CET.A região mais prejudicada foi a zona norte. Na ponte da Vila Maria, que liga a avenida Brás Leme, em Santana, à zona oeste da cidade, o trânsito esteve lento durante toda a manhã. Os motoristas levaram, em média, uma hora a mais do que o habitual para percorrerem o trecho. Dois guardas da Guarda Civil Metropolitana (GCM) fazem o policiamento e tentam organizar o trânsito no local, mas a faixa de conversão não foi desviada, o que provoca congestionamento na avenida.Outro problema foram os semáforos piscando no amarelo, por causa da violação de vários controladores, de onde foram retiradas placas e fusíveis. Em vários cruzamentos, como Viaduto Antártica com a Avenida Marquês de São Vicente, zona oeste, e avenidas como Voluntários da Pátria, Zaki Narchi e Cruzeiro do Sul, na zona norte, os semáforos não funcionaram, causando complicações no trânsito, principalmente para os pedrestes. Até o momento, a maioria voltou a funcionar.Alguns funcionários, principalmente marronzinhos, não aderiram ao protesto e trabalharam em esquema de emergência. Um dos pontos mais movimentados da cidade, a Radial Leste, que liga a zona leste ao centro, não foi prejudicado. Por volta das 7h, cinco marronzinhos cuidavam do trânsito no local. As duas faixas de conversão foram acionadas normalmente e o trânsito lento, segundo os motoristas, era comum para uma sexta-feira naquele horário.AcidenteUm acidente por volta das 6h com uma carreta na Ponte Jânio Quadros (antiga ponte da Vila Maria), foi responsável pelo congestionamento na Marginal Tietê, sentido Penha-Lapa. O motorista, Miguel Mônaco, de 68 anos, morreu no local. A Polícia Militar atendeu a ocorrência, mas a demora na remoção do corpo ocasionou a lentidão. A pista expressa teve de ser enterditada, porque a Polícia Ténica demorou para chegar ao local, refletindo no trânsito da saída da ponte Aricanduva e Avenida Salim Farah Maluf, e da rodovia Ayrton Senna. A caçamba da carreta estaria erguida e bateu contra a ponte. Ainda não se sabe a causa do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.