CET instalará 40 novos radares na Capital

A partir de 15 de setembro, os radares móveis para fiscalização de excessos de velocidade estarão de volta às ruas e avenidas de São Paulo. Como anunciou ontem, a Secretaria Municipal de Transportes (SMT) selou um contrato emergencial com empresas para aluguel de 40 unidades do equipamento, que deverão ser alternadamente instalados em 300 pontos da Capital. Pelo contrato, os radares já começam a multar os motoristas infratores no dia 15, mas apenas no dia 30 de setembro as firmas estão obrigadas a colocar todos os dispositivos em operação. Desde de junho deste ano, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o serviço não é prestado em São Paulo. O antigo contrato foi rompido no dia 26. Descobriu-se que o consórcio responsável havia operado no começo do ano com cinco radares a menos que o previsto.As novas empresas irão atuar por 180 dias. Receberão nesse período R$ 3,36 milhões - ou R$ 14 mil por equipamento/mês. Segundo a Prefeitura, haverá uma economia de 64%, fruto da adoção de um novo modelo de remuneração, que estabelece um valor fixo, em detrimento do antigo, que funcionava por quantidade de multas aplicadas.Secretaria nega irregularidadeA SMT, em nota oficial, negou qualquer irregularidade no processo sem licitação. Como explicou o órgão, ?as contratações são feitas em caráter emergencial para que o serviço possa ser reativado no menor tempo possível?. Afinal, segundo o governo municipal, ?a fiscalização eletrônica é fator de segurança no trânsito?.A pasta de Transportes da Prefeitura explicou ainda que os contratos podem ser rompidos a qualquer momento. Essa possibilidade será importante caso a concorrência 003/06, que tem como objeto a contratação regular dos equipamentos na Capital, seja encerrada. Dessa forma, o serviço emergencial, sem licitação, seria substituído pelo tradicional e oficial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.