CET muda trânsito na Ponte Eusébio Matoso

A partir desta segunda-feira, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai reverter o trânsito de uma das três faixas da Ponte Eusébio Matoso, no sentido Butantã. A medida será tomada no horário de pico da manhã, para que a via tenha duas faixas em direção à Avenida Rebouças e ao centro da cidade. No domingo, o fluxo estava restrito a uma faixa, por conta do acidente que aconteceu na quinta-feira, quando um caminhão que transportava uma retroescavadeira com excesso de altura e em alta velocidade danificou 5 das 17 vigas da ponte. Dependendo do comportamento do tráfego, a faixa poderá permanecer com trânsito revertido ao longo do dia, segundo informou a CET. Os motoristas que saírem da Rebouças em direção à Avenida Professor Francisco Morato terão uma faixa a menos, no horário de pico da manhã, e duas a menos à tarde. Nesse período, a companhia revertia o trânsito da faixa da esquerda do sentido centro, hoje a única em condições de uso. Por isso, a recomendação ao motorista é buscar caminhos alternativos e evitar a passagem pela Eusébio Matoso e região.Na manhã de domingo, às 10 horas, a pista expressa da Marginal do Pinheiros, sentido Castelo Branco, foi novamente liberada para o tráfego. A via estava interditada desde a manhã de sábado, por conta da implosão das vigas danificadas na quinta-feira. A demolição das peças ocorreu no fim da tarde de sábado. Apenas a pista local estava aberta nesse período, o que provocou congestionamentos de até 16 quilômetros na região. Técnicos da Secretaria Municipal de Infra-Estrutura Urbana (Siurb) começam hoje a trabalhar na construção de novas vigas para a Eusébio Matoso e reparação da via. Além das 5 implodidas, as 12 restantes serão trocadas, o que resultará num ganho de 40 centímetros no vão da ponte. Até quinta-feira, quando ocorreu o acidente com o caminhão da construtora Talude, de Barueri, a altura máxima permitida era de 4,30 metros. Multa - O reparo da ponte tem previsão de seis meses para terminar, mas a Siurb tentará acelerar as obras e encurtar o prazo. O custo estimado pela empresa Azevedo e Travassos, executora do trabalho, é de R$ 2,5 milhões. A CET e a secretaria pretendem processar a construtora proprietária do caminhão e da retroescavadeira pelos danos causados. O motorista será multado em R$ 127,69 e levará cinco pontos na carteira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.