CET tem 60% das picapes com engates irregulares

As novas regras para o uso de engates nos veículos estão em vigor desde sábado. Mas, cinco dias depois, nem a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) conseguiu se adequar às exigências do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Ontem, depois que a reportagem do Estado flagrou carros circulando com equipamentos fora dos padrões em diferentes pontos da capital, a CET reconheceu que apenas 40% das 212 picapes estão com os engates regulares. Muitos dos equipamentos instalados nos veículos da CET estão enferrujados e ainda têm estruturas retangulares. A resolução 197, porém, proíbe que os engates tenham ´ superfícies cortantes ou cantos vivos na haste de fixação da esfera´. Em outros casos, a reportagem verificou a ausência de tomada e da instalação elétrica para conexão ao veículo rebocado, outra exigência que consta na resolução do Denatran. A Assessoria de Imprensa da CET informou que os engates irregulares serão removidos e receberão as adaptações necessárias. A companhia, porém, não deu prazo para que os equipamentos sejam substituídos nem adiantou quando eles serão reinstalados. Só a instalação da parte elétrica custa em média R$ 30 por carro - e a colocação de um acessório completo sai por, em média, R$ 300. Sem engates, as picapes perdem parte de sua função. Por serem as primeiras usadas no atendimento aos chamados, elas atuam como guincho, rebocando veículos para liberar o trânsito. ´Concordo que a companhia tem de seguir a lei, mas não pegaria no pé dela por esse motivo´, diz o consultor em transporte Luiz Célio Bottura. O diretor do Sindicato dos Agentes de Trânsito, Cleoton Araújo Nogueira de Sá, lembra que, pela lei, só guinchos podem remover veículos. Mas diz que as remoções feitas por picapes com engates são fundamentais para evitar grandes congestionamentos. ´Se a empresa retirar os engates, e não colocar outros no lugar imediatamente, nosso serviço vai ser prejudicado. Para retirar um veículo da rua, por exemplo, teremos de acionar os guinchos e isso leva muito mais tempo.´ Embora não esteja habilitada a aplicar multas por uso de engate irregular - só policiais militares e rodoviários podem fazer as autuações, já que os veículos devem antes passar por inspeção -, a CET soube com antecedência da nova regulamentação. Assim como os demais órgãos de trânsito do País, a companhia mantém representantes nas câmaras temáticas do Denatran, onde são debatidas todas as novas resoluções. Questionada pelo Estado, a CET não esclareceu por que deixou de providenciar a substituição dos engates antes que a nova lei entrasse em vigor. O principal objetivo do Denatran com a nova regulamentação foi coibir o uso do engate como ´protetor de pára-choques´. O motorista que desrespeitar a regra fica sujeito a multa de R$ 127,69 e ao acréscimo de 5 pontos na carteira.

Agencia Estado,

01 Fevereiro 2007 | 12h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.