CET tira Zona Azul, mas sinalização fica

Informação contraditória entre placas e marcação no asfalto gera confusão

Daniel Gonzales e Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

19 de maio de 2009 | 00h00

Mesmo passado quase um ano da primeira mudança nas regras de estacionamento em São Paulo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ainda não trocou a sinalização horizontal - no asfalto - das áreas onde houve extinção de vagas de Zona Azul. Embora haja placas informando os locais em que passou a ser proibido estacionar, a sinalização no chão indica o contrário, situação que provoca dúvidas. A mudança nas vagas foi uma das principais apostas da Secretaria Municipal dos Transportes para tentar dar fluidez ao trânsito. Foram extintas vagas de Zona Azul em bairros como Jardins, Pinheiros, Vila Olímpia, centro e Itaim-Bibi. Com isso, muitas vias ganharam uma faixa de rolagem.A primeira a passar pelas mudanças foi a Rua Bela Cintra, nos Jardins. Em junho do ano passado, passou a ser proibido parar no lado direito, entre a Rua Estados Unidos e a Alameda Jaú. A via ganhou uma terceira faixa, mas uma discordância nas sinalizações vertical e horizontal confunde e prejudica a eficácia da nova regra.Apesar de terem sido instaladas placas indicativas da proibição em toda a área, o asfalto ainda mantém retângulos na última faixa do lado direito, que indicavam onde era permitido estacionar e não é mais. Motoristas, então, deixam de usar a faixa, mesmo em momentos de congestionamento.A reportagem flagrou essa situação no início da tarde de ontem. Mesmo com grande fila de carros em duas faixas aguardando a abertura do semáforo na Alameda Jaú, a terceira faixa ficou livre. "Sei que ali é uma faixa a mais, mas muita gente não sabe. Por isso, eu evito ir por lá para não correr o risco de bater em alguém que para de repente", diz o taxista Gérson Souza Neris.O mesmo ocorre em outras vias, como a Alameda Jaú, esquina com a Pamplona. Mesmo sendo proibido estacionar do lado direito desde agosto, a terceira faixa é pouco utilizada pelos motoristas. A CET afirma que toda a sinalização horizontal foi coberta com tinta preta na época em que entraram em vigor as regras. Esse método foi adotado por causa da "urgência de implantação das mudanças". "A CET está programando a remoção das marcas das vagas pelo processo a quente, que é definitivo. Mas o procedimento é mais demorado e só pode ser feito em determinados horários, para não prejudicar o trânsito", afirma a companhia, por nota. De acordo com a CET, o problema não diminui a eficácia da extinção de vagas. Nos locais onde a medida foi adotada, a CET diz que houve melhora de 30% na fluidez do trânsito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.