Cetesb aponta risco de acidentes nos postos de combustíveis de SP

Metade dos postos de combustível do Estado de São Paulo causa alguma contaminação ao solo ou representa risco de acidentes. A constatação é da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), que recebeu laudos de 2.056 empresas entre as 4 mil convocadas para se adaptar a novas normas de preservação do meio ambiente. Entre os laudos, 1.164 apontavam vazamentos nos tanques de gasolina e diesel.O combustível que corre dos postos pode chegar aos lençóis freáticos que abastecem os rios, a plantações ou até provocar explosões, caso tenha contato com faíscas. Foi o que aconteceu em março do ano passado, quando um operário cavava um poço artesiano para um lava-rápido anexo a um posto de gasolina da Avenida Sapopemba, na zona leste de São Paulo. A 14 metros abaixo da superfície, ele acendeu uma lanterna e causou uma explosão que o matou na hora, feriu outras cinco pessoas e destruiu seis carros.As novas normas estabelecidas pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) em janeiro de 2001 devem diminuir esses acidentes. Em São Paulo há 8.500 postos de combustível e 1.700 estão na Capital. Todos serão obrigados a apresentar à Cetesb um exame que mostre a situação dos tanques, muitos com décadas de existência sem nenhuma manutenção.No último dia 20, a companhia intimou mais 1.685 empresas a prestar contas. O prazo é de 8 meses para entrega do laudo e mais 6 meses para a reforma. Depois recebem multas e podem ser lacradas. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivado de Petróleo (Sincopetro), até agora, mais de 1.500 postos se regularizaram.De acordo com a arquiteta Sandra Huertas, consultora da entidade, cada reforma custa entre R$ 150 mil e R$ 300 mil e, em muitos casos, a distribuidora - que normalmente é a dona dos tanques - não oferece ajuda. O valor pode interferir cada vez mais nos altos preços dos combustíveis. "Estamos tentando argumentar com os proprietários que as reformas devem atrair novos consumidores, mas o gasto é bastante alto", diz.O consumidor pode acompanhar se a unidade em que abastece já tem a licença por um ícone no final do site www.cetesp.sp.gov.br. Basta dar o endereço do posto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.