Chacina de jovens foi "ato de barbárie", diz Cabral

O governador Sérgio Cabral Filho disse nesta sexta-feira que o seqüestro e assassinato de sete pessoas, entre eles cinco jovens que saíram de casa para jogar bola, foi um "ato de barbárie, sem classificação". "Determinei à polícia a investigação e a prisão destes criminosos. Isto é absolutamente inconcebível. O que temos que fazer é prender esses vagabundos, estes marginais, que são verdadeiros facínoras", afirmou o governador, na saída de uma cerimônia no Palácio Laranjeiras. Ele determinou prioridade à Secretaria de Segurança para o caso. "Essa é uma situação que choca a sociedade, que choca a todos nós, que não podemos tolerar. Nesse momento, a resposta do Estado é a prisão destes vagabundos, o mais breve possível". Os corpos dos sete foram encontrados esquartejados dentro de um Siena, próximo a um posto de saúde em Del Castilho, na zona norte. Cinco são jovens, com idades entre 14 e 18 anos. Outros dois adultos, mortos na mesma sessão de torturas, também foram deixados no carro.Nesta sexta-feira, algumas das vítimas foram enterradas no Cemitério de Cajú, na zona norte do Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.