Chacina deixa 4 mortos em fazenda

Assassinos seriam conhecidos das vítimas, entre elas uma criança

Pedro Dantas, RIO, O Estadao de S.Paulo

08 de abril de 2009 | 00h00

Um crime chocou a cidade de Silva Jardim, na Baixada Litorânea do Rio. Assassinos invadiram a Fazenda São Francisco e mataram quatro pessoas, entre elas uma menina de 9 anos. Foram mortos o dono da propriedade, Odelon Heckmann, de 73 anos, o caseiro Adilson Ramos, de 43, a mulher dele, Lucinéia Ramos, e a filha do casal, Luana."A morte da criança indica que os assassinos eram conhecidos das vítimas. Logo, a hipótese mais provável é de que as mortes foram queima de arquivo. Ou então estamos lidando com psicopatas", disse o delegado titular da 120ª Delegacia de Polícia, Paulo Roberto da Silva. Os corpos foram encontrados por funcionários da fazenda por volta das 7 horas de ontem. Do lado de fora da casa principal, um rastro de sangue levava ao corpo do caseiro. No interior da residência, em cômodos diferentes, estavam os corpos de Heckmann (na sala), Lucinéia e Luana (em quartos separados). As vítimas foram estranguladas com lacres de plástico e tinham as mãos amarradas para trás. Todos receberam um tiro na cabeça. A polícia acredita que o crime aconteceu durante a noite.O delegado acredita que pelo menos dois homens participaram da ação. Marcas de pneu na entrada da fazenda indicam que os assassinos chegaram em um carro e fugiram em dois, levando o Gol prata de Heckmann. Marcas de tênis em poças de sangue foram fotografadas pelos peritos. Oito pessoas foram ouvidas. Apesar de o crime não ter testemunhas, uma das linhas de investigação leva à participação de funcionários da fazenda, disse o delegado.Aposentado da Souza Cruz, Heckmann vivia da plantação de coco e da criação de gado na fazenda isolada, no km 239 da BR-101. Silva Jardim é um município pobre, mas com grandes propriedades rurais. "Meu pai não tinha inimigos. Acho uma crueldade absurda fazer isso com uma criança", disse Odilon Heckmann, filho do aposentado. Aparentemente, os bandidos levaram apenas o carro, três espingardas e um revólver calibre 38.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.