Chacina deixa oito mortos em Porto Seguro (BA)

Entre as vítimas estão filhos de policiais civis e militares e um cabo da Aeronáutica; motivação do crime é investigada

CLEUSA DUARTE, Especial para O Estado

06 Fevereiro 2017 | 17h55

SALVADOR - Uma chacina no bairro de Porto Alegre, em Porto Seguro, no extremo sul da Bahia deixou oito homens mortos, na noite do último domingo, 5. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), as vítimas foram atacadas dentro de uma casa após retornarem de uma "festa paredão". Dois filhos de um policial civil, dois filhos de policiais militares e um cabo da Aeronáutica estão entre os baleados. 

Unidades especiais da Polícia Militar fazem rondas na região do crime, na busca pelos suspeitos. Segundo informações da Polícia Militar (PM), nove homens fortemente armados cometeram o crime e fugiram em seguida. Até o inicio da tarde desta segunda-feira, 6, ninguém foi preso. 

De acordo com a PM, o grupo de criminosos chegou a bordo de uma caminhonete Ranger de cor vermelha e disparou várias vezes. Três corpos foram encontrados do lado de fora da casa e outros cinco dentro do imóvel. Um homem baleado foi socorrido para o Hospital Regional Luiz Eduardo Magalhães. O estado de saúde do paciente é grave.

De acordo com a Polícia Civil, que vai investigar o caso, no local do crime foram encontradas cápsulas de fuzil calibre 556. Ainda não há informações sobre o que pode ter motivado a chacina. 

O veículo usado no crime foi abandonado pelos bandidos e encontrado pela polícia. A caminhonete foi levada para o pátio da Delegacia de Porto Seguro. Segundo informações da polícia, o automóvel havia sido roubado horas antes.

O delegado Bruno Barreto Garcia, de Porto Seguro, informou que as vítimas foram identificadas como: Felipe Ricardo Lopes Borges; Vinícius Bispo dos Santos (cabo da Aeronáutica); Vitor Claudio do Nascimento Bispo e Caio Felipe do Nascimento Bispo (filhos de policial civil); Gabriel de Jesus Feitosa; Leandro de Jesus Feitosa; Gabriel Lobo Fernandes (filho de um PM já falecido); e Igor Lélis dos Santos Santana (filho de um PM). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.