Chacina deixa quatro mortos em morro do Rio

Quatro pessoas foram assassinadas nesta madrugada no Morro da Boa Esperança, em Itaipu, na Região Oceânica de Niterói, Grande Rio. Uma das vítimas seria parente de um traficante de drogas, e os demais teriam sido mortos para que não identificassem os assassinos. Ninguém foi preso. Há quatro anos, uma outra chacina vitimou seis pessoas na mesma favela - que fica a poucos metros de um dos condomínios mais luxuosos da região, o Jardim Ubá. Fábio Inácio da Silva, de 25 anos, foi o primeiro a ser morto. Ele levou um tiro de escopeta na cabeça na porta de sua casa, na Rua Oito do morro. Em seguida, os bandidos invadiram a casa 10 da Rua 12 e balearam Cláudia Maria Oliveira, de 35 anos, também com tiros de escopeta e revólver calibre 38. Na mesma rua, o bando matou Marco Antônio da Conceição, de 26 anos. Ambos morreram na hora. Clesir Alves dos Santos, de 23 anos, chegou a ser socorrida no Hospital Universitário Antônio Pedro, em Niterói, mas morreu enquanto era atendida. No local das mortes, a polícia encontrou cápsulas de armas de diversos calibres. Os criminosos fugiram de carro. De acordo com o delegado da 81ª Delegacia Policial (Itaipu), Uzias Cláudio Vasconcelos, o motivo da chacina ainda é desconhecido - as vítimas não teriam envolvimento com o tráfico de drogas. Mas moradores do Morro da Boa Esperança disseram que Fábio Inácio da Silva seria irmão de um traficante da região, e que teria sido morto por causa disso. Os demais teriam sido assassinados como "queima de arquivo".Em agosto de 1998, seis pessoas foram executadas com tiros na cabeça em quatro barracos da favela. Uma das vítimas foi Adriana França Bonfim, de 25 anos, que estava grávida de 3 meses. Na época, a polícia investigou as hipóteses de extermínio praticado por policiais, acerto de contas entre traficantes rivais e execução encomendada por comerciantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.