WILSON FILHO/CIDADEVERDE.COM
WILSON FILHO/CIDADEVERDE.COM

Chacina deixa seis mortos na zona rural de Alegrete do Piauí

Vítimas, que foram atingidas com tiros na cabeça, eram familiares de jovem de 23 anos suspeita de ter cometido 2 assassinatos na região

Luciano Coelho, Especial para O Estado

19 Agosto 2015 | 11h54

TERESINA - Uma chacina com seis mortos chocou a população de 5.153 habitantes de Alegrete do Piauí, a 384 km ao sul de Teresina, na divisa com o Estado de Pernambuco. Os crimes aconteceram na noite desta terça-feira, 18, dentro de uma casa na zona rural do município, na localidade conhecida como Boa Vista. O secretário de Segurança Pública do Piauí, Fábio Abreu, acredita que o crime pode ter sido motivado por vingança.

De acordo com informações da PM, os suspeitos chegaram em um veículo, estacionaram a alguns metros da residência e seguiram a pé até o local do crime. As vítimas, que estavam na frente da casa, foram surpreendidas e reunidas na sala, onde foram executadas.

O comandante de Policiamento do Interior, coronel Paulo de Tarso, disse que o crime foi bárbaro, planejado, sem chance de defesa para as vítimas e praticado por mais de um autor.  "Pelas circunstâncias em que os corpos foram encontrados, percebemos que não houve reação das vítimas e que duas pessoas ou até mesmo quatro tenham participado da chacina. As vítimas foram atingidas com tiros na cabeça ", informou o comandante. 

Uma das vítimas é Maria do Socorro Carvalho, de 23 anos, conhecida como Galega. Ela era suspeita de ter cometido dois assassinatos na região e era monitorada pela polícia. Galega já tinha sido presa por porte ilegal de arma de fogo, e depois liberada. De acordo com a polícia, ela depôs sobre a morte de uma estudante em 2012 e de um professor, este ano. 

Os mortos, todos familiares de Galega, foram identificados como Cícero Domingos de Carvalho, de 63 anos, Francisca Luiza de Carvalho, de 63 anos, Silvia Francisca de Carvalho, de 43 anos, Sildo Cícero de Carvalho, de 30 anos, e Bartolomeu Gomes de Carvalho, de 31 anos. Os corpos foram encaminhados para o Hospital Justino Luz, em Picos.

"A polícia encontrou recentemente armas na casa onde ocorreu a execução. Embora presa em flagrante por posse de arma de fogo, Maria do Socorro foi liberada, como determina a lei. O crime pode ter sido por vingança, mas não vamos esgotar qualquer outra linha de investigação, uma vez que nesta região, em um passado recente, era comum a prática da pistolagem", explicou Fábio Abreu.

O coronel Paulo de Tarso informou que houve reforço policial das cidades de Picos, Fronteiras e Jaicós. O secretário de Segurança, o delegado-geral, Riedel Batista, e o gerente de policiamento do interior, delegado William Morais, estão no local acompanhando as investigações. 

A polícia ainda não identificou os suspeitos, que estão foragidos. Os delegados de Picos e Fronteiras, além de equipes de Teresina, trabalham na investigação. 

No ano passado, em novembro, Clevilson Vieira Matias, o Chiê, assassinou cinco pessoas na localidade de Palmeira de Cima, no município de São Miguel do Tapuio. Ele matou a esposa, e disparou a ermo, matando outras quatro pessoas. Nesta semana, saiu o laudo médico apontando que Chiê é um psicopata, alugava armas para assaltos e era de traficante de drogas.

Mais conteúdo sobre:
Piauí Chacina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.