Champinha será internado em hospital psiquiátrico

O juiz Trazíbulo José Ferreira da Silva, do Departamento de Execuções da Infância e da Juventude (DEIJ), determinou nesta quinta-feira a internação em um hospital psiquiátrico de Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, de 19 anos, envolvido na morte dos adolescentes Liana Friedenbach e Felipe Caffé em 2003, no município de Embu Guaçu, na região metropolitana de São Paulo. Champinha tinha 16 anos quando cometeu o crime e por isso foi recolhido em uma unidade da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem). O prazo da internação terminaria no dia 10 do próximo mês. Na decisão, o juiz determinou a suspensão do internamento do jovem Febem, além da aplicação de medida protetiva, o que implica na transferência do rapaz em local adequado para tratamento ?especializado da problemática de saúde mental?. Ele deverá ser levado para um Hospital de Tratamento e Custódia, que faz, no Estado, o papel de manicômio judiciário (local que abriga criminosos com problemas mentais). A sentença dá um prazo de 10 dias para o secretário estadual de Saúde indicar o referido local.Em seu despacho, ele observa que ?de acordo com os resultados dos novos exames...o educando, apesar do longo período de internação a que está submetido, alcançou progressos insuficientes e frágeis em relação às características negativas de sua personalidade apuradas à época dos atos infracionais que ensejaram a presente execução (a internação na Febem) e ainda ostenta, infelizmente, deficiências que o tornam propenso a novas ações anti-sociais violentas e extremamente vulnerável a situações de risco, caso venha a receber estímulos inadequados ou se associar a pessoas inescrupulosas?.CondenadosNo dia 20 de julho deste ano três dos demais envolvidos no crime foram condenados por Júri Popular a mais de 169 anos de prisão. Agnaldo Pires a 47 anos e três meses de reclusão por estupro; Antonio Caetano da Silva a 124 anos por vários estupros; e Antonio Matias a seis anos de reclusão e um ano, nove meses e 15 dias de detenção por crime de cárcere privado, favorecimento pessoal, ajuda à fuga dos outros acusados e ocultação da arma do crime.O quarto acusado, Paulo César da Silva Marques, conhecido como ?Pernambuco? ainda não foi julgado por haver recorrido da sentença de pronúncia (decisão de submetê-lo a Júri Popular). O recurso foi negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e a data de seu julgamento ainda não foi marcada.Além do secretário de Saúde do Estado, o juiz DEIJ determina a intimação do diretor da unidade da Febem onde o jovem está; da presidente da instituição; e da secretária estadual da Justiça para que adotem, ?nos respectivos âmbitos de atuação, todas as providências cabíveis para o efetivo cumprimento desta ordem?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.