Chefe de quadrilha é encontrado morto em Curitiba

Apontado como chefe da quadrilha que tem matado mulheres nos municípios de Almirante Tamandaré e Rio Branco do Sul, na região metropolitana de Curitiba, Alceu Rodrigues, conhecido como Beá, de 32 anos, foi encontrado morto na noite de ontem, às margens da BR-277, com cinco tiros na cabeça. A polícia, que suspeita de ?queima de arquivo?, já tinha descoberto a região onde Beá estava escondido e estava a um passo de prendê-lo."Junto com a Delegacia de Homicídios vamos apurar os autores dessa morte para vermos quais os interesses", disse a delegada-adjunta da Delegacia de Ordem Social, Vanessa Alice, destacada para presidir o inquérito sobre a morte das mulheres. Hoje a polícia conseguiu prender Daniel Matias, acusado de fornecer armas para a quadrilha. Das 17 prisões decretadas pela Justiça, 15 já foram cumpridas e uma pessoa foi morta. Mas a delegada acredita que haja cerca de 50 pessoas envolvidas. "Vai desde os mais humildes até algumas com condições melhores", disse. Entre os presos, há oito policiais militares e um civil.Desde agosto de 1999, foram mortas 18 mulheres naquela região, todas encontradas em situações semelhantes. A última, Cleusa Aparecida Ferreira, foi encontrada domingo. No mesmo dia, a polícia prendeu Adivanil Tavares Nogueira, como acusado dessa morte. Ele nega, mas a delegada acredita que Nogueira realmente matou Cleusa e vê ligação dele com outra morte, também por enforcamento. Uma das característica da quadrilha de Beá seria a morte por esganamento.A delegada acredita que a quadrilha que teria Beá como chefe comanda o crime organizado na região, com envolvimento em homicídios, roubos e tráfico. "Com a morte dele inicia-se uma nova etapa nas investigações", lamentou. Ela esperava esclarecer boa parte das mortes se tivesse chegado antes e conseguido prendê-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.