Chefe do Denarc está na mira do MP

Depois de 50 dias de denúncias envolvendo a polícia paulista - incluindo acusações de achaques ao PCC e envolvimento em fraudes nas carteiras de habilitação -, um caso atinge diretamente a cúpula da instituição. Integrante do Conselho da Polícia Civil, o diretor do Departamento Estadual de Narcóticos (Denarc), delegado Everardo Tanganelli Júnior, está sob investigação do Ministério Público Estadual (MPE) por suspeita de enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro.Segundo o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), ele tem salário de R$ 8 mil, mas acumulou um patrimônio de R$ 4,5 milhões. Promotores apuraram que Tanganelli é dono de seis fazendas em Mato Grosso do Sul, dois apartamentos de luxo em Moema (zona sul de São Paulo) e um de frente para o mar na Praia de Pitangueiras, no Guarujá. Ele também possui dois terrenos em um condomínio de alto padrão na Riviera de São Lourenço (Bertioga), no litoral paulista.Uma das fazendas, comprada em 1996, custou R$ 750 mil. O contrato de compra e venda estabelecia o pagamento em três parcelas. Um dos ex-proprietários afirmou que até hoje sua família não recebeu quase nada do dinheiro da venda. Disse ainda que Tanganelli ofereceu pedras preciosas como pagamento e o ameaçou, usando do cargo de delegado. O fazendeiro acrescentou que Tanganelli fez questão de frisar que era uma pessoa muito importante e, se tivesse qualquer queixa sobre a negociação, que procurasse seus direitos na Justiça.De acordo com os promotores, Tanganelli já responde a processos por causa de várias dívidas com condomínios, empresas e pessoas físicas - no valor de R$ 1,5 milhão. O Gaeco apurou ainda que, no Imposto de Renda, o delegado declarou suas propriedades com preços inferiores aos de compra. O Gaeco quer que o delegado justifique seu enriquecimento. Mas ele já entrou com ação na Justiça para tentar impedir a quebra de sigilo fiscal.CAÇA-NÍQUEISTanganelli passou a ser investigado após denúncia de um delegado que já foi seu subordinado em Santos, Roberto Conde Guerra. Antes de assumir a diretoria do Denarc, Tanganelli era diretor do Departamento de Polícia Judiciária do Interior 6 (Deinter-6). Ele comandava a Polícia Civil na Baixada Santista, no litoral sul e no Vale do Ribeira. O delegado subordinado, que atuou em Santos, denunciou ao MPE que a cúpula do Deinter-6 recebia R$ 50 mil por mês de propina de donos de máquinas caça-níqueis de Santos.

Josmar Jozino e José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

12 de junho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.