Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Chega a 12 o número de veículos incendiados no Rio nesta quinta-feira

Marinha vai fornecer apoio logístico para combater ataques na capital fluminense; pedido não envolve mobilização de tropas, e sim fornecimento de armas e blindados

estadão.com.br,

25 Novembro 2010 | 09h33

SÃO PAULO - Outros quatro veículos foram queimados por volta das 11h desta quinta-feira, 25, na Avenida Brasil, subúrbio do Rio. Segundo informações da Polícia Militar, um caminhão, um carro e duas motos foram incendiados na pista lateral, sentido Zona Oeste, na Avenida Brasil. Os bombeiros também confirmaram mais um incêndio criminoso na rua Sampaio Viana, em Estácio. Com os novos ataques, sobe para 12 o número de veículos incendiados somente hoje no Rio.

 

Na manhã desta quinta dois coletivos foram incendiados em Vicente de Carvalho e Rocha Miranda. Durante a noite, um motorista de ônibus foi atingido com um tiro na cabeça quando criminosos abordaram o veículo que dirigia.

 

Outros dois ônibus foram incendiados na manhã desta quinta-feira, 25, no Rio de Janeiro. Segundo o Corpo de Bombeiros, um ônibus foi atacado na zona norte da cidade por volta das 8h50. Às 8h30, outro coletivo foi incendiado na Rua Caxambu, na Região de Rocha Miranda. 

 

Balanço. Entre domingo e quarta-feira, ao menos 26 pessoas morreram durante a série de ataques que ocorrem no Estado. Desse total, 22 seriam criminosos e pelo menos quatro eram inocentes sem ligação com o tráfico.

 

O levantamento divulgado hoje cedo pela Polícia Militar aponta que 47 suspeitos foram presos e 112 foram detidos durante o período. Os policiais apreenderam 29 armas entre pistolas e revólveres, além de 10 fuzis, duas espingardas calibre 12, uma submetralhadora, cinco granadas e duas bombas caseiras.

 

Veja também:

linkAtaque a ônibus termina com motorista baleado na zona norte

linkOnda de violência no Rio chega à imprensa estrangeira

linkPresos por atentados serão enviados para presídios federais

linkDesde domingo, 22 suspeitos morreram em confronto

linkTurismo teme prejuízos por causa da violência

especial'Só UPP não vai resolver o problema de segurança'

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

mais imagens Caixa coloca Esquadrão Antibomba em ação

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

 

Marinha. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, autorizou que o Comando da Marinha forneça apoio logístico ao governo do Rio de Janeiro. O pedido não envolve mobilização de tropas da Força, e sim meios de transporte e a guarnição necessária à operação e manutenção dos veículos. Os policiais poderão utilizar veículos blindados, armamento e munição.

 

Para coibir os ataques, o governo do Rio disse que Polícia Militar irá intensificar hoje as operações em locais estratégicos. A corporação vai fazer comboios, patrulhamento nas ruas da cidade, haverá mais blitz, e o efetivo retirado da área administrativa continuará atuando na zonas Sul e Oeste e na Grande Niterói. Também haverá aumento do policiamento atuando na Tijuca e no Meier.

 

Conforme já anunciado, a primeira medida da PM foi reduzir folgas e colocar nas ruas policiais em condições de serviço, que trabalham na área administrativa. Estão sendo empregadas 1.625 viaturas, além de 190 motos. A partir de hoje, mais 60 viaturas estarão circulando na Região Metropolitana.

 

(Com Luciana Fadon Vicente, Pedro Dantas e Priscila Trindade)

Mais conteúdo sobre:
Rioataquesviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.