Chega a 50 número de mortos pelas chuvas no Sudeste

A temporada de chuvas no Sudeste do País já matou 50 pessoas desde outubro de 2006, informou a Defesa Civil neste domingo. Apenas na primeira semana do ano, foram 35 mortes em São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, e há previsão de mais chuva nesta semana. São 20 mortos em Minas Gerais desde outubro, o início do período chuvoso, até esta madrugada, quado foram encontrados os corpos de um casal soterrado pelas chuvas em Matias Barbosa, na Zona da Mata mineira.No Rio de Janeiro, são 26 mortes só na primeira semana de janeiro. Pelo menos outras duas mortes são confirmadas em São Paulo. Grande parte das mortes ocorreu em regiões montanhosas do Rio de Janeiro e de Minas Gerais, na quinta e sexta-feira, quando casas, construídas em lugares inclinados, deslizaram e foram levadas pela lama, afirmou o porta-voz da Defesa à Reuters, que pediu para não ser identificado. Foi declarado situação de emergência em diversas cidades."A busca por vítimas continua", acrescentou o porta-voz, dizendo que os bombeiros do Departamento da Defesa Civil estão trabalhando na operação de busca e que o número de mortos aumentou para 50, diz a Reuters.O governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral Filho, deve viajar neste domingo juntamente com o ministro de Integração Nacional, Pedro Britto, para Nova Friburgo, umas das regiões mais afetadas pelas chuvas. No local, eles se reúnem com prefeitos.No Rio, mais de 15 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas, segundo informou a Defesa. O governo federal autorizou uma verba de R$ 57 milhões para ajudar na recuperação dos prejuízos.Apesar do tempo seco neste domingo, meteorologistas disseram que há previsão de mais chuvas. "A chuva vai continuar e deve ganhar força na segunda metade da semana", disse Lucyara Rodrigues Pereira, da Somar Meteorologia.Chuva deixa 1,2 mil desalojados em SPAs chuvas que provocaram uma série de estragos por todo o interior de São Paulo no sábado reduziram de intensidade neste domingo. Apesar disso, os boletins climáticos seguem apontando tempo instável em grande parte do Estado, o que mantém prefeituras e órgãos de defesa em estado de alerta.A Defesa Civil não registrou novos casos de desabrigados neste domingo. Até o momento, das quase 1,2 mil pessoas desalojadas por causa de deslizamentos, 193 estavam sem abrigo nos 57 municípios afetados. Muitas delas tiveram de ser recolhidas a igrejas. Só na região de Campinas, 115 pessoas tiveram de abandonar suas casas sem ter para onde ir. Em todo o Estado, cinco pessoas morreram.Com o tempo mais firme, a situação das estradas no Estado também melhorou. No entanto, de acordo com boletim da Polícia Militar divulgado às 14h, pelo menos seis rodovias tinham trechos interditados por pontos de alagamento ou danos provocados pelas fortes chuvas.A rodovia Pref. Jorge Bassio Dover (SP-421) está interditada na altura do quilômetro (km) 47 por conta da queda da cabeceira de uma ponte, e uma queda de barreira fechou a Rodovia Joaquim Ferreira no km 326. Em Quatá, a Rodovia Homero Severo Lins (SP-284) foi interditada nos dois sentidos devido a um afundamento de pista. Pela mesma razão, a SP-421 está fechada na altura do km 42, no município de Lutécia. Danos na cabeceira de uma ponte também provocaram a interdição da Rodovia Hilário Jorge Spury (SP-331), na altura do km 110.Minas GeraisSubiu para 20 o número de mortes causadas pelas fortes chuvas que castigam Minas Gerais desde o mês de outubro, segundo a Defesa Civil, elevando também para 81 o número de feridos e 4.207 mil desabrigados. Nos sete primeiros dias de janeiro, choveu em Minas Gerais o equivalente a metade da média normal prevista para o mês. A previsão é que os temporais só darão trégua a partir de segunda-feira. No início da madrugada deste domingo, o Corpo de Bombeiros encontrou os corpos de Antônio Francisco Búfalo, de 60 anos, e de Maria da Conceição Araújo, 43 anos.Ambos foram soterrados, após o desabamento de um barranco que atingiu a casa onde estavam, na cidade de Matias Barbosa, na Zona da Mata. Na casa, também estavam André Luiz Búfalo Eugênio, de 14 anos, e a sua avó, Rosa Búfalo, de 80 anos. Os dois foram resgatados com vida e foram levados para o Hospital de Pronto-Socorro de Juiz de Fora. Porém, o adolescente não resistiu aos ferimentos.Apesar de as chuvas terem diminuído no final de semana na maior parte do Estado e na capital mineira, o número de vítimas pode ser maior. O Corpo de Bombeiros ainda procura o corpo do lavrador Antônio Camilo da Silva, de 47 anos, que foi arrastado pelas águas de um córrego, ao tentar atravessá-lo a cavalo, na tarde de sábado, em Gonçalves, município distante 70 quilômetros de Itajubá, no Sul do Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.