Chegam a 10 as mortes causadas pela chuva em Minas Gerais

Cinco vítimas morreram ao serem soterradas em três cidades do Estado: Barbacena, Lajinha e Ponte Nova

Solange Spigliatti, Central de Notícias

29 de dezembro de 2010 | 08h21

SÃO PAULO - Os corpos de mais quatro pessoas foram resgatados por equipes de Corpo de Bombeiros na madrugada desta quarta-feira, 29, vítimas de soterramento em Minas Gerais, elevando para 10 - sete apenas nesta semana - o número de mortos provocados pelas chuvas desde novembro.

 

Segundo a Defesa Civil, uma casa de quatro cômodos localizada no bairro Novo Horizonte, em Lajinha, no leste do Estado, foi atingida por um barranco de aproximadamente 50 metros de largura por 30 metros de altura que se desprendeu de uma rocha que fica atrás do imóvel, por volta da meia-noite.

 

A casa foi soterrada, atingindo quatro pessoas. Três delas morreram. São elas: Maria Rosângela do Carmo, de 35 anos; Eduarda Vitória Barros, de 5 anos, e Wendel Riam do Carmo Barros, de 2 anos. A outra vítima, Agnaldo de Oliveira Barros, de 33 anos, foi socorrida por moradores antes da chegada do Corpo de Bombeiros.

 

Em Ponte Nova, Zona da Mata mineira, Antonio Caetano da Silva, de 73 anos, morreu soterrado em sua casa, no bairro Fátima, quando o deslizamento de terra atingiu a edificação de dois pavimentos, enquanto ele dormia. Ele encontrado e retirado dos escombros sem sinais vitais pelo Coordenador Municipal de Defesa Civil. A residência foi interditada.

 

Segundo a Defesa Civil, Ponte Nova foi atingida por um temporal no último domingo, 26, provocando o aumento do nível das águas do ribeirão Vau-Açu e demais córregos que passam pelo município, ocasionando a danificação de pontes, bueiros e inundação em áreas rurais e residências dos bairros Vau-Açu, Vila Oliveira e Centro. Até o momento foi contabilizado 149 pessoas desalojadas e 13 desabrigadas, 30 residências foram danificadas na cidade.

 

Em Barbacena, sul de Minas, uma idosa também morreu na terça-feira após um desabamento provocado pelas fortes chuvas. Um muro de arrimo atingiu uma cobertura, abaixo do nível da rua, onde estavam duas mulheres e duas crianças, por volta das 18 horas, no bairro Fátima. Todas as vítimas foram socorridas e encaminhadas para a Santa Casa de Misericórdia daquela cidade, onde receberam os atendimentos médicos.

 

Efigênia Rosália Antero, de 80 anos, no entanto, não resistiu aos ferimentos. A idosa foi socorrida consciente, com fratura exposta nos membros inferiores e escoriações pelo corpo, mas faleceu.

 

A outra mulher que se feriu é Maria Cleuza da Costa, de 53 anos, que teve escoriações generalizadas e suspeita de fratura de bacia e membros inferiores. Das crianças - Matheus Nathan da Costa Silva, de 2 anos, e Noêmia da Costa e Silva, de 3 - a menina está em situação pior: além de escoriações, ela teve traumatismo craniano e trauma de face.

 

Outras duas pessoas morreram na madrugada de terça-feira. Fabrício Fernandes Rocha do Amaral, de 4 anos, foi soterrado após um desabamento em Juiz de Fora, com mais quatro pessoas. Os vizinhos socorreram os feridos antes da chegada dos bombeiros, mas o menino teve de esperar por ajuda do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu.

 

Já em Cataguases, outro deslizamento de encosta, no bairro Leonardo, atingiu três pessoas. O corpo de Marisângela Alves da Silva, de 31 anos, foi removido pelos bombeiros logo após o atendimento de outros dois moradores.

 

Três mortes. A primeira vítima dessa temporada de chuvas em Minas foi Edgard Bispo dos Santos, de 36 anos, no dia 23 de novembro. O entregador de gás foi arrastado pela correnteza, num bairro da região nordeste de Belo Horizonte, após retornar para casa, em situação de risco, para buscar pertences.

 

Dois dias depois, o corpo de Maria das Graças Azevedo, de 62 anos, foi encontrada entre os escombros de um desabamento em Visconde do Rio Branco, na Zona da Mata mineira.

 

Já no último dia 15, uma adolescente de 13 anos foi arrastadas pela enxurrada em Santa Maria do Suaçuí, no Vale do Rio Doce, região leste do Estado

 

Danos. Segundo a Defesa Civil, na segunda-feira, um temporal já havia causado o transbordamento de um córrego no bairro Santa Maria, atingindo seis residências, e no bairro Nova Cidade, outras três residências foram danificadas. Até o momento, três pessoas estão desalojadas e uma família está desabrigada.

 

Desde outubro, das 57 cidades afetadas, 34 decretaram situação de emergência. Mais de três mil casas foram danificadas pelo mau tempo e 37 pontes foram destruídas em diversos municípios.

 

(Com Marcelo Portela, de O Estado de S.Paulo)

 

Atualizado às 10h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.