Chegou no horário, pegou fila e reprovou

Administradora perdeu o dia na inspeção

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

03 Fevereiro 2009 | 00h00

Ao sair do centro de inspeção veicular da Barra Funda, após 1 hora e 3 minutos de espera dentro do carro e embaixo de sol forte, a administradora de empresas Fernanda Queiroz Machado Lima, de 27 anos, teve reforçada sua convicção de que a inspeção foi mal planejada. "Deveria começar pelos carros velhos, que são os que mais poluem", diz. Como outros donos de veículos, ela teve dificuldades para fazer o agendamento no site da Controlar, que apresentou problemas na primeira semana. Ela só conseguiu marcar horário após sete dias de tentativa. Fernanda chegou ontem com meia hora de antecedência, às 10h45. Normalmente, sai cedo de casa às segundas-feiras pois seu carro tem placa final 1 e não pode rodar no centro expandido das 7 às 10 horas. Também costuma sair do trabalho nesse dia às 16 horas para novamente escapar do rodízio. Ontem, sabia que trabalharia à tarde e só sairia à noite. Ao chegar ao centro de inspeção, ficou surpresa ao ver que o primeiro atendente sabia detalhes de seu agendamento. Achou que faria a inspeção às 11h15, mas mudou de opinião quando foi orientada a escolher um fila e aguardar. À frente, uns dez carros - muitos que já haviam perdido o horário e fariam inspeção. "Ninguém orientou para qual fila deveria ir. As pessoas iam entrando, independentemente do horário agendado." Seu horário já havia passado, quando veículos de outra fila migraram para a sua, porque um carro apresentou problemas e demorou na inspeção. Após 54 minutos no centro, chegou a vez de seu carro ser inspecionado. O veículo é um Honda Fit 2007, que passou pela primeira revisão há alguns meses e está com a segunda marcada para a próxima semana. "Impossível meu carro que é novo ser reprovado, se todos aqueles ônibus estão passando", dizia ela, apontando para alguns veículos da frota pública, com aparência antiga. Seu carro foi reprovado. "Eles explicaram tecnicamente, mas eu não entendi nada. Só queria saber o que preciso fazer para passar." Um pouco irritada e com pressa, ela saiu direto para a concessionária. "Já perdi a manhã inteira, então vou tentar resolver tudo", diz. O objetivo dela era chegar ao escritório para começar a trabalhar por volta das 16 horas - horário em que costuma às segundas encerrar o dia e ir para casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.