Sérgio Vale/Secom
Sérgio Vale/Secom

Cheia do Madeira registra novo recorde na região amazônica

Rio atingiu 25,44 metros no município de Humaitá, dois metros acima do registrado na cheia histórica de 1997

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

01 de abril de 2014 | 16h10

O nível do Rio Madeira atingiu 25,44 metros nesta terça-feira, 1º, no município de Humaitá, sul do Amazonas, dois metros acima do registrado na cheia histórica de 1997. É o nível mais alto já atingido pelo rio desde que passou a ser monitorado. Apenas nesse município, o número de desabrigados chegou a 20,7 mil. A cidade está isolada desde fevereiro. Os governos estadual e federal reconheceram o estado de calamidade pública decretado pela prefeitura. Os flagelados são atendidos em trinta abrigos montados em escolas ou improvisados. O início do ano escolar foi adiado e 15 mil alunos estão sem aulas.

Outros municípios amazonenses da calha do Madeira estão em estado de emergência. Há desabrigados em Manicoré, Novo Aripuanã, Borba e Nova Olinda do Norte, que tiveram a situação de emergência reconhecida pelo Estado. A rodovia Transamazônica está alagada em um trecho de trinta quilômetros entre Humaitá e Apuí. As ligações com Porto Velho e Lábrea também são precárias. Guajará, Ipixuna, Canutama e Boca do Acre tiveram decretado estado de emergência. De acordo com a Defesa Civil, o número de pessoas afetadas pela cheia dos rios chega a 66,7 mil no Amazonas.

Os municípios recebem ajuda do governo. Em Rondônia, as águas do Rio Madeira mantinham-se na marca de 19,67 metros nesta terça-feira em Porto Velho. Na capital, o serviço de balsas funciona precariamente em razão da forte correnteza. As cidades de Guajará-Mirim, Nova Mamoré, Rolim de Moura, Ji-Paraná, Extrema, Mutum e Cacoal também foram atingidas pelas águas do Madeira e de seus afluentes. Mais de 20 mil pessoas estão desabrigadas ou desalojadas. O tráfego em algumas das principais rodovias do Estado, como a BR-364 e a BR-319, está interrompido. Nas regiões alagadas, surgem surtos de doenças. Foram diagnosticados casos de leptospirose, febre tifoide e há dois casos suspeitos de cólera em Jacy-Paraná, distrito de Porto Velho.

Tudo o que sabemos sobre:
Humaitá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.