Cheia do Ribeira de Iguape desabriga mais de mil

Cerca de 1.030 pessoas estavam desabrigadas nesta terça-feira em cinco municípios do Vale do Ribeira, na região sul do Estado de São Paulo, emconsequência da enchente do Rio Ribeira de Iguape. Equipes da Defesa Civil forammobilizadas para socorrer as famílias. O rio nasce no Estado do Paraná e percorre 470quilômetros para desaguar em Iguape, no litoral sul de São Paulo.A situação era mais crítica no município de Eldorado, onde o nível do Ribeira atingiu, às 14 horas, 10,25 metros, 3,25 acima da cota máxima. Vários bairros da zona ribeirinha e parte do centro estavam inundados.Segundo o presidente da Defesa Civil no município, Jair Francisco de Azevedo, 350 pessoas, até a tarde, tinham sido retiradas das casas na área urbana e estavam sendo atendidas nas escolas Dr. Jaime Almeida Paiva e Professora Maria Aparecida Muniz, no salão paroquial e no centro comunitário.Outras 120 pessoas foram desalojadas no distrito de Itapeúna e no bairro do Braço, na zona rural. Bombeiros estavam usando barcos para remover as famílias. O rio parou de subir no fim da tarde,mas tinha voltado a chover. Em Ribeira, na divisa de São Paulo com o Paraná, o rio atingiu 9 metros - 3 acima do nível máximo - e inundou a parte baixa da cidade.A prefeitura removeu para a Escola Estadual Diógenes Ribeiro de Lima e a igreja matriz168 pessoas, sendo 47 crianças. Mais 40 pessoas ficaram desabrigadas no bairro Catas Altas, na zona rural. Todos os bairros rurais estavam isolados em razão da queda de barreiras ou pontes nas estradas de ligação. Trechos da rodovia pavimentada do distrito de Saltinho rodaram com as chuvas. A queda de barreiras interditou a BR 476, que liga São Paulo a Curitiba.O prefeito Jonas Dias Batista (PSDB) pediu alimentos e colchonetes à Defesa Civil estadual. Em Iporanga, a cheia desabrigou 178 pessoas nacidade e na zona rural. A maioria transferiu-se para casas de parentes. As rodovias deligação com Apiaí e Barra do Turvo estavam interditadas. Uma ambulância da prefeituracom três pessoas foi levada pelas águas de um afluente do Ribeira, mas os ocupantesse salvaram.Parte da cidade de Itapirapuã Paulista foi alagada pelo ribeirão Criminosas, afluente do Ribeira. Cerca de 60 moradores deixaram as casas, mas retornaram depois que as águas baixaram, segundo a prefeitura. A queda de duas pontes isolou parte da zona rural. A enchente atingiu Sete Barras no começo da tarde.Segundo Dean Alves Martins, da Defesa Civil, o rio subia de 10 a 15 centímetros por hora. Cerca de 120 pessoas já haviam deixado as casas alagadas. Trechos da rodovia que liga a cidade à BR 116 estavam cobertos pela água.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.