Cheque clonado

Em abril tive minha conta na Caixa Econômica Federal paralisada por falta de fundos. Não consegui efetuar compras com cartão de débito, pois todo o dinheiro que eu tinha em conta, somado ao valor do cheque especial, foi sacado por meio de um cheque clonado. A gerência abriu um processo administrativo, pois fazia parte de um talão recém-bloqueado e eu tinha a folha desse cheque em branco. Após sete dias fui ressarcida do valor debitado indevidamente. Registrei boletim de ocorrência e solicitei à agência que me fornecesse cópia do cheque, mas até hoje não recebi. Gostaria de saber quais as providências judiciais cabíveis neste caso, pois agora tenho medo de usar cheque. Esse golpe que se efetivou foi a terceira tentativa de saque em minha conta. As duas anteriores foram coibidas pela gerente, que me telefonou para confirmar sobre os valores. Porém, cada talão de cheques desbloqueado pode gerar um clone. O que posso fazer? CLAUDIA NATHAN São Paulo A Assessoria de Imprensa da Regional Paulista da Caixa Econômica Federal informa que a sra. Claudia teve realmente um cheque clonado, tempestivamente ressarcido em sua conta. Na mesma ocasião, a gerência da agência esclareceu à leitora que, dentro do possível, a cada cheque que não pareça lícito ao banco, funcionários entram em contato com os clientes para evitar futuros prejuízos. Quanto à intenção da sra. Claudia de conferir o cheque fraudado que gerou a ocorrência, a Caixa informa que a cliente já foi convocada para comparecer à agência que realizou a apuração dos fatos e providenciou a solução do caso. Interpretação da lei Fui multado em frente à minha casa, na Rua Cambaí, no Jardim do Lago, porque estacionei meu carro na calçada. Essa rua tem 4 metros de largura, por isso os moradores têm o costume de estacionar os carros parcialmente na calçada, para que outros veículos possam trafegar livremente. Quem está errado: os moradores, que tentam facilitar o fluxo de carros e de pedestres na rua, ou o policial, que interpretou a lei, mas deixou de lado o bom senso? Meu bairro precisa de policiais que patrulhem as ruas! DÁRIO DE ALENCAR COSME LIMA São Paulo A Polícia Militar do Estado de São Paulo explica que o policial, no exercício de sua atividade, não pode optar por não aplicar a lei. Acrescenta que o problema do leitor sr. Lima extrapola o campo de ação da polícia e que a lei não abre exceção para estacionamento sobre calçadas em ruas estreitas. Se o estacionamento atrapalha o fluxo de veículos, recomenda que o carro seja estacionado em outra rua, mas não sobre a calçada, pois isso pode pôr em risco a integridade de pessoas que necessitam usá-la. Calçadas esburacadas Como posso pedir para a Prefeitura consertar uma calçada totalmente esburacada em frente ao número 217 da Avenida Europa, região nobre da cidade? Não há fiscalização? MARCIO PITLIUK São Paulo O secretário das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, informa que a manutenção das calçadas é, por lei, responsabilidade do proprietário do imóvel. Por isso, e com base na denúncia, a Subprefeitura Pinheiros notificou o responsável para executar os reparos na calçada, num prazo de 30 dias. Caso a regularização do piso não seja feita, o proprietário do imóvel será multado. Melhoria do trânsito? Extremamente infeliz a decisão da CET de proibir a conversão à esquerda na Avenida Eng. Luís Carlos Berrini com a Rua Arizona e a Avenida Padre Antonio José dos Santos, sob a justificativa de "evitar a concentração de veículos na pista da esquerda da avenida, principalmente quando o semáforo está fechado". Primeiro porque geralmente o trânsito que segue em frente é que costuma atrapalhar a fluidez de quem quer fazer a conversão, não o contrário. Segundo porque, a partir de agora, quem quiser fazer a conversão terá de seguir por pelo menos 875 metros na Chucri Zaidan. Ou seja, agora todos os veículos que realizavam as conversões aumentarão o volume de tráfego da Berrini e Chucri Zaidan no mínimo por mais esses 875 metros... MARCELO ROSSI São Paulo Adele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET informa que as conversões à esquerda na Avenida Eng. Luís Carlos Berrini foram eliminadas para evitar a concentração de veículos que se acumulavam na pista da esquerda à espera da abertura dos semáforos. Os motoristas que se utilizavam da conversão da Rua Arizona devem agora utilizar as Ruas Arizona, Edward Weston e James Joule. As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

, O Estadao de S.Paulo

17 Julho 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.