Chico fala que ética não é descartável e reafirma voto em Lula

O músico e compositor Chico Buarque não queria criar polêmica. Mas, não teve jeito. Questionado pelo Estado sobre a declaração do músico Wagner Tiso durante uma reunião de artistas - onde Tiso afirmou não se importar com a ética do PT - Chico foi categórico. "Eu também já falei bobagem aqui e ali, depois me arrependo. Não estou aqui para julgar ninguém. O Wagnão é amigo meu", afirmou nesta segunda-feira, 28, dois dias antes de estrear a turnê "Carioca", em São Paulo. Segundo ele ética não é descartável, mas afirmou entender o que "mais ou menos" o colega quis dizer. Chico acredita que a posição pessoal dos colegas não é a de descartar a ética, mas essa é política feita na realidade do Brasil. "Essa é a realidade política", completou, reforçando seu voto em Lula.Chico estava fazendo a passagem de som e numa mini-coletiva respondeu aos repórteres a respeito de seu novo show. Durante o último mês ele esteve dedicado ao ensaio da nova turnê e, por isso, disse não ter tido tempo para acompanhar o horário político. Não teve tempo também de participar da reunião de membros da classe artística, com o presidente Lula, na casa de Gil, onde Tiso fez o comentário. "Eu não estava lá, eu estava ensaiando o show. Show dá trabalho".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.