China quer manter parceria 'estratégica'

O governo chinês afirmou ontem esperar que a "parceria estratégica" com o Brasil continue a se desenvolver sob o governo de Dilma Rousseff, a quem o presidente Hu Jintao cumprimentou pela eleição de domingo.

Cláudia Trevisan CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2010 | 00h00

"Atualmente, as relações sino-brasileiras mantêm uma boa dinâmica", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Hong Lei. O cumprimento de Hu Jintao foi transmitido a Dilma por meio da embaixada chinesa em Brasília.

A China se transformou neste ano no principal parceiro comercial do Brasil, e caminha para se tornar um dos principais investidores estrangeiros no País. Mas parte da indústria nacional vê no câmbio desvalorizado da China uma vantagem desleal na competição por mercados dentro e fora do Brasil.

A questão cambial ganhou peso adicional com a recente desvalorização do dólar, ao qual a moeda chinesa está atrelada. Depois de dois anos de congelamento, Pequim voltou a permitir a apreciação do yuan em junho, mas desde então o ganho foi inferior a 3%.

Economistas sustentam que seria necessária uma valorização de pelo menos 20% para levar a moeda chinesa ao patamar que deveria alcançar caso seu valor fosse definido por forças de mercado, e não pela intervenção do banco central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.