Chineses são detidos acusados de falsificar CDs

A Polícia Civil prendeu nesta quarta-feira quatro chineses - dois deles clandestinos - e apreendeu 150 mil CDs, 200 mil encartes e 13 torres para fabricação dos discos. Os policiais da 1ª Delegacia de Propriedade Imaterial, que investiga casos de violação de direito autoral, calculam que os falsificadores fizessem uma média de 1 milhão de CDs, de todos os gêneros musicais, mensalmente.Eles seriam responsáveis pelo abastecimento de camelôs da região central, principalmente da Galeria Pajé, na Rua 25 de Março. Chen Xi e Han King Zuon, ambos clandestinos, de 23 anos, e seus colegas Lin Kiu, de 24, e Miao Renjian, de 36, foram presos em flagrante por violação de direito autoral e formação de quadrilha.Segundo o chefe dos investigadores da delegacia, Gilberto Teixeira, a investigação sobre a quadrilha já durava quatro meses quando os policiais receberam a informação de que a fábrica clandestina dos CDs funcionava em uma casa na Rua General Nestor Passos, 645, no Jardim Paraíso, zona norte."O local era todo preparado, com máquinas modernas, para fazer a falsificação. Chegamos de surpresa e eles nem tiveram tempo de fugir", afirmou.De acordo com o policial, os discos eram vendidos aos camelôs por valores que variavam entre R$1 e R$ 1,50. Nas bancas, eram revendidos a R$ 5. Alguns membros da quadrilha ainda estão sendo procurados. A polícia acredita que há ramificações do grupo até na China.

Agencia Estado,

30 de janeiro de 2002 | 23h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.