Choque de trens mata um e fere 15 no Rio

O choque de dois trens, às 15h15 de hoje, no bairro 25 de Agosto, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, matou uma pessoa e deixou 15 feridos, sendo seis em estado grave. As composições trafegavam em direção contrária, uma seguia para a Central do Brasil, no centro do Rio, e a outra ia para a estação terminal de Gramacho, em Caxias. Até as 18h30 o corpo de um maquinista, que morreu no acidente, não tinha sido retirado do vagão, porque estava preso às ferragens. O ferroviário não pilotava o trem e tinha apenas pego uma carona.Houve muita dificuldade para remoção dos feridos. Os bombeiros tiveram de passar as vítimas por cima do muro que cercava os trilhos, para que fossem atendidos pelos médicos. Três horas depois do acidente, ainda havia vítimas sendo retiradas dos trens, que trafegavam cheios. O tráfego na linha férrea ficou interrompido por pelo menos três horas.O presidente do Sindicato dos Ferroviários do Rio de Janeiro, Valmir de Lemos, disse que a sinalização das linhas estava deficiente, porque cabos de alta tensão foram roubados na madrugada de hoje, provocando desligamento do sistema. A tese de Lemos foi contestada pelo presidente da SuperVia, empresa que administra o sistema, Paulo Bello. Ele assegurou que a sinalização estava funcionando perfeitamente e anunciou que uma perícia indicará a causa do acidente. Segundo Bello, nenhum dos dois maquinistas parou no cruzamento.Bello não quis comentar as críticas dos sindicalistas à falta de manutenção das composições. "Não vou entrar no mérito sobre sucateamento. Os trens estão sendo mantidos infinitamente melhor do que antes da privatização e isso é suficiente para garantir a segurança dos passageiros", afirmou.Segundo passageiros que não se feriram, o choque foi violento. O vendedor ambulante Marcelo Borges, que ia da Central para Gramacho, disse que houve uma freada brusca. Um menino de 12 anos que estava no outro trem sofreu um corte na cabeça e contou que várias pessoas foram jogadas ao chão.Testemunhas contaram também que apenas um dos sinais estava funcionando. O trem que ia para Caxias bateu no último vagão do que seguia para a Central. Apesar da garantia da Super Via de que não houve falha na sinalização, os ferroviários disseram que o acidente teve as mesmas características de uma outra colisão que ocorreu ano passado, no bairro de Santa Cruz , zona oeste do Rio, matando uma criança e deixando 45 feridos. Outros acidentes semelhantes ocorreram em São Cristóvão e Cavalcanti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.