Choque e manifestantes entram em confronto em São Luís

Policias usaram gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha para dispersar a multidão que bloqueava avenida

Ernesto Batista , Especial para o Estado

24 de junho de 2013 | 15h06

SÃO LUÍS - O Batalhão de Choque da Polícia Militar do Maranhão entrou em confronto com manifestantes que interditaram uma das principais vias de São Luís, a Avenida dos Portugueses, no começo da tarde desta segunda-feira, 24. O confronto aconteceu na frente da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), quando policias tentaram retirar caixotes e troncos que impediam o trânsito de veículos nos dois sentidos da avenida.

Os policias usaram gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha para dispersar a multidão, que tentou se refugiar em uma unidade de saúde, em uma escola e um postos de gasolina. Os manifestantes responderam com fogos de artifício e pedras, mas acabaram dispersados. Não há notícias de feridos e nem de prisões.

Enquanto os policiais militares da tropa de choque desobstruíam a Avenida dos Portugueses, manifestantes interrompiam novamente a BR-135, no município de Bacabeira, localizado a 48 quilômetros de São Luís, pedindo maior segurança. É a segunda vez que a rodovia federal é interditada por manifestantes nesta segunda. Mais cedo, outra manifestação havia interrompido a BR-135 ainda dentro de São Luís. Eram cerca de 300 moradores do bairro do Maracanã localizado na zona rural da capital maranhense e a principal reivindicação é melhoria do transporte público.

O confronto na frente da UFMA tornou tensa a situação na capital que terá uma outra manifestação em frente a um dos antigos shoppings da cidade e na zona nobre da cidade. O comércio, escolas, universidades e órgãos públicos suspenderam expediente por medo da radicalização dos protestos. Há registros também de manifestação em Imperatriz, distante 674 quilômetros de São Luís, e Codó, localizado há 306 quilômetros da capital.

Tudo o que sabemos sobre:
protestosSão LuísMaranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.