Chuva atinge cidades do interior e causa 4 mortes

Quatro pessoas morreram, uma está desaparecida, 52 ficaram desabrigadas e mais de 400 foram desalojadas em conseqüência da chuva que atingiu as regiões de Sorocaba e Jundiaí entre a noite de segunda-feira e a manhã de hoje. Em menos de dez horas, a chuva atingiu 110 milímetros em Sorocaba e 111 em Várzea Paulista, na região de Jundiaí. O valor equivale à média de chuva de todo o mês de janeiro nos últimos anos.Em Várzea, três casas foram soterradas pelo desmoronamento de um barranco de 25 metros na Vila Real, uma área de ocupação. A auxiliar de limpeza Maria Lopes de Almeida, de 38 anos, e sua filha Marília, de 13, não conseguiram sair a tempo.Os corpos foram removidos dos escombros pelo Corpo de Bombeiros. Mãe e filha serão levadas ainda hoje para Juazeiro do Norte (CE), onde residem familiares, para o sepultamento. As casas foram interditadas pela Defesa Civil.Houve alagamentos em outros pontos da cidade, onde 22 pessoas estão desabrigadas. A prefeitura mobilizou 80 homens para desobstruir ruas e avenidas.Outro caso de mãe e filha que morreram aconteceu em Francisco Morato. Elas foram soterradas, quando uma casa desmoronou por volta das 13 horas na Rua Urbano II, altura do 285, no bairro Estância Belém. Morreram Bianca de Souza Sodré, de 19 anos, e Beatriz Sodré, de 7 meses.SorocabaEm Sorocaba, o temporal elevou o nível do rio Sorocaba e de vários afluentes. Pelo menos 150 casas ficaram alagadas nos bairros Jardim Abaeté, Vitória Régia, Jardim Santo André, Itanguá e Maria do Carmo. O catador Antonio José Ferreira, de 68 anos, foi arrastado pela correnteza de um córrego, no Jardim Hungarês, zona norte. Segundo a filha, Maria Cecília, um vizinho ainda o segurou pela mão, mas não conseguiu resistir à força das águas. Até a tarde de hoje, os bombeiros continuavam a busca do corpo.As famílias desalojadas receberam colchonetes, cestas básicas e ajuda da prefeitura para limpar as casas. Não houve necessidade de removê-las para abrigos. As cabeceiras de duas pontes ruíram na área urbana, interditando avenidas. No centro, a Praça Lions e a Avenida Dom Aguirre foram cobertas pelas águas. Houve quedas de muros e árvores nos bairros Central Parque e Jardim Europa.Cidades vizinhasEm Votorantim, cidade vizinha, três casas foram atingidas por um deslizamento e desabaram. Os moradores conseguiram sair a tempo. "Quando a parede estourou, corri com as crianças para fora", contou a copeira Lucielza Silva, mãe de três filhos. Na região central, a força das águas abriu uma vala em 400 metros da Avenida São João. A prefeitura está atendendo 19 desabrigados e mobilizou 200 pessoas para os serviços de limpezas e reparos.Em São Roque, um muro de arrimo caiu e cinco casas foram interditadas por risco de desabamento. Quedas de barreiras interditaram a Estrada-Parque dos Romeiros, entre Itu e Cabreúva. Também permanecia interditada, com vários pontos de bloqueio, a Rodovia Santos Dumont (SP-79), entre Tapiraí e Juquiá, região de Sorocaba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.