Luiz Chaves/Palácio Piratini/Divulgação
Luiz Chaves/Palácio Piratini/Divulgação

Chuva dá trégua, mas Rio Grande do Sul permanece em atenção

Quase 8 mil pessoas estão fora de casa no Estado; nove cidades decretaram emergência; após atingir pico, Rio Guaíba diminui

Chico Guevara, Especial para o Estado

13 Outubro 2015 | 10h55

PORTO ALEGRE - A chuva deu uma trégua aos gaúchos nesta terça-feira, 13, mas milhares de pessoas ainda estão fora de casa. Conforme dados da Defesa Civil, 56 cidades foram atingidas pelas enchentes, afetando 44.199. Em Porto Alegre, o Rio Guaíba, que atingiu seu pico máximo histórico nesta segunda-feira, 12, está diminuindo. Entretanto, há previsão do retorno da instabilidade nesta quarta-feira, 14.

Aproximadamente 7,9 mil estão fora de suas casas em todo o Rio Grande do Sul. São 4.049 desalojados (que estão na casa de vizinhos e parentes) e 3.861 desabrigados (socorridos em locais públicos). Já decretaram emergência nove cidades: Campestre da Serra, Sobradinho, Itaara, Silveira Martins, Ibarama, Nova Esperança do Sul, Miraguaí, São Jerônimo e São Gabriel.

Os transportes foram afetados. Onze rodovias estaduais estão parcialmente ou totalmente bloqueadas em diversas regiões do Estado. Ao mesmo tempo, a falta de energia elétrica atinge aproximadamente cinco mil pessoas.

Em Porto Alegre, o Rio Guaíba, que atingiu a marca história de 2,89 metros na região do Cais Mauá, no centro da cidade, voltou a baixar. No início da manhã estava a 2,80 metros. Uma das 14 comportas que foram fechadas para impedir que as águas invadissem a região central chegou a ser reaberta. A última contenção foi  lacrada no início da noite desta segunda-feira, com a presença do prefeito José Fortunati (PDT).

Uma massa de ar seco que ingressou no Rio Grande do Sul afasta a instabilidade. Entretanto, a chuva deve voltar nesta quarta. Para a semana que vem há expectativa de volumes significativos de chuva por cinco dias.

Mais conteúdo sobre:
chuvas sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.