Chuva deixa dois mortos em São Paulo

Empresário e advogado enfartaram ao ficar presos em congestionamento; ontem foi dia de limpeza no ABC

Daniel Gonzales, Fernanda Aranda, Daniela do Canto e Marcela Spinosa, O Estadao de S.Paulo

19 de março de 2009 | 00h00

O temporal que atingiu São Paulo na tarde de terça-feira e parou a capital e o ABC paulista causou duas mortes. Na Avenida dos Estados, em São Caetano, o advogado José Mendes Moreira Filho, de 74 anos, teve um enfarte fulminante ao ver a água subir e invadir seu carro. "Ele nem tirou o cinto de segurança", disse o sócio, Nelson do Nascimento. Na Avenida Luís Inácio de Anhaia Melo, na Vila Prudente, o empresário Ciro Nogueira, de 81 anos, morreu após sofrer um enfarte e uma parada cardiorrespiratória. Com funcionários, ele estava preso na enchente. Mais informações sobre os estragos provocados pela chuvaOntem voltou a chover à tarde na Grande São Paulo, mas os transtornos foram bem menores. No ABC, porém, o Ribeirão dos Couros voltou a transbordar (mais informações nesta página). As vítimas também começaram ontem a registrar os prejuízos. O que mais se via nas ruas da capital pela manhã eram guinchos particulares e de seguradoras removendo veículos que ficaram submersos nos alagamentos provocados pelo temporal de anteontem. O número de chamados de socorro recebidos aumentou até 30%, em comparação com dias sem chuva. O índice só não foi maior porque alguns guinchos ficaram ilhados durante a chuva.Três municípios - Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul - e a capital tiveram de disponibilizar de emergência, juntas, um "batalhão" de mil homens para atravessar a madrugada e parte da manhã de ontem para recolher toda a sujeira. Na Vila Monumento, zona sul da capital, mutirões tiravam lama de bares e casas - a água chegou a mais de 1,80 metro de altura. Na região da Avenida do Estado, os trabalhos continuavam até a noite. Os servidores da Prefeitura removeram cerca de 70 caminhões de entulho.Em São Bernardo, onde a Defesa Civil registrou 152 milímetros de chuva em menos de três horas (mesmo volume que deveria cair no mês de março inteiro), a prefeitura informou ontem que cinco dos sete piscinões encheram até o limite e transbordaram. No limite com Diadema, assistentes sociais cadastraram famílias da Favela Naval, onde 13 barracos desabaram e 80 ficaram danificados. Em Santo André, 207 ligações de esgoto entupiram.MORTESEm São Caetano do Sul, 15 pessoas ficaram desalojadas pela chuva, mas o caso mais grave registrado foi a morte do advogado Mendes Filho, quando rumava do escritório, na capital, para a residência, no ABC. Ele foi surpreendido pela água que subia rapidamente na Avenida dos Estados, no cruzamento com a Rua Pedro Alexandrino. A família acredita que o advogado, que já foi submetido a uma ponte de safena, tenha sofrido um mal decorrente do nervosismo ao ver que a água não baixava. Sem possibilidade de pedir socorro, morreu antes mesmo de ser levado ao hospital pelos bombeiros. Natural da cidade de Dom Viçoso, em Minas, ele era casado e tinha um filho e uma filha. Outra vítima da enchente foi o empresário Nogueira, que ajudou a construir a Brinquedos Bandeirante e decidira voltar a trabalhar no local. Em seu Toyota Corolla, ele voltava para casa pela Avenida Professor Luís Inácio de Anhaia Melo, na Vila Prudente, zona leste, juntamente com o motorista e um enfermeiro. O veículo ficou retido na pista por causa da enchente e o coração, que já andava fraco, começou a dar "pontadas".O empresário foi socorrido por funcionários de um bar localizado numa favela próxima, mas não resistiu à espera de 40 minutos até que a viatura do Corpo de Bombeiros chegasse ao local. Segundo a Sociedade Paulista de Cardiologia, a chance de morrer de enfarte quadruplica em caso de enchente, uma vez que os congestionamentos dificultam o atendimento.TEMPOHoje, a frente fria que estava sobre São Paulo se afasta do Estado e o sol aparece em quase todas as áreas. A temperatura cai um pouco e ainda chove em todas as áreas, mas o risco de temporal diminui. O tempo fica chuvoso apenas no sul do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.