Chuva deixa um morto e três feridos na região noroeste do ES

Pelo menos uma pessoa morreu e três ficaram feridas devido a fortes chuvas na região noroeste do Espírito Santo, na divisa com Minas Gerais. Um dos municípios mais atingidos, Ecoporanga decretou estado de calamidade pública. Outras oito cidades decretaram estado de emergência. Segundo o major André Có, coordenador-adjunto da Defesa Civil Estadual, até o fim da tarde desta terça-feira, havia 84 pessoas desabrigadas e 980 desalojados em todo o estado. Ele admitiu que esse número deve estar subestimado, já que os dados oficiais dependem da atualização dos municípios. Uma pessoa teria morrido - ainda não há registro oficial - e três ficaram feridas num deslizamento de terra em Gualtenópolis, também na região noroeste. De acordo com Có, também choveu muito na Grande Vitória, porém os prejuízos foram menores devido a maior estrutura da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros da região. Os maiores problemas na capital foram o alagamento de ruas e avenidas, que ficaram cobertas de lamas, algumas vezes impedindo o tráfego de veículos e pedestres. Em alguns trechos, a força da água destruiu bloquetes de pavimentação das vias. Entre o início da noite de segunda e a manhã desta terça- tempo que durou a chuva - o Corpo de Bombeiros registrou 42 casas destruídas, 120 pontes danificadas e 2.500 quilômetros de estradas vicinais prejudicadas. A Defesa Civil continua em alerta por pelo menos mais 24 horas, até a noite desta quarta. Segundo o Instituto Climatempo, o mau tempo deve continuar com a passagem de um ciclone extratropical, que chegou ontem a 200km do litoral do Espírito Santo. O meteorologista André Madeira prevê ventos fortes a moderados durante esse período, mas tranqüilizou a população afirmando que o fenômeno é de baixa intensidade. "A única mudança é que o mar ficará mais agitado, com ondas de até 1,5 metro de altura", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.