Chuva deve voltar a São Paulo nesta terça-feira

Depois de uma segunda-feira com fortes chuvas na cidade, quando choveu 41,3 milímetros - cada milímetro corresponde a um litro de água por metro quadrado -, o paulistano deve enfrentar mais transtornos nessa terça-feira, já que o Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE) espera mais chuvas a partir do começo da tarde. A previsão é de que a temperatura na capital chegue aos 27 graus, com sol e muitas nuvens durante todo o dia. Na segunda-feira, o CGE decretou estado de atenção em toda a cidade, depois da tempestade que atingiu a capital; para todo o mês de dezembro eram esperados 201 mm de chuva. Na zona oeste, uma das regiões mais prejudicadas, o Centro decretou estado de alerta; o bairro do Butantã foi onde mais choveu, com índice de 127 mm. Ao todo, foram registrados 52 pontos de alagamento, seis deles intransitáveis, na cidade. Às 19 horas, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrou 171 quilômetros de congestionamento, contra a média de 96 km para o horário. O Aeroporto de Congonhas também foi afetado: pousos e decolagens pararam das 16h50 até as 17h19. Nove vôos foram cancelados.De acordo com a Defesa Civil, a cidade tinha 19 áreas de risco, a maioria delas nas regiões sul e norte, até às 9 horas desta terça-feira. O coordenador do órgão, Jair Paca de Lima, afirmou que foram verificados um deslizamento, seis quedas de muro e quedas de árvore.Em Guarulhos, na Grande São Paulo, uma pessoa morreu no começo da noite de segunda-feira, depois que um muro desabou sobre quatro barracos da Favela São Rafael. Sandro Pinheiro de Jesus, de 42 anos, estava dentro de um dos barracos quando a chuva atingiu o local e o muro, que pertence ao terminal rodoviário da cidade, caiu.O volume médio de chuvas do mês de novembro de 2006 atingiu, segundo a Defesa Civil, 217,5 milímetros - no mesmo período de 2005, choveu 78mm."São Paulo está preparada"Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo, afirmou nesta terça-feira que, apesar dos inúmeros transtornos provocados na cidade pelo temporal de segunda-feira, São Paulo está preparada para enfrentar novas chuvas.Em entrevista concedida ao programa Bom Dia São Paulo, da TV Globo, Kassab afirmou que as equipes da prefeitura trabalharam durante toda a madrugada desta terça-feira na limpeza do município. "Passamos a madrugada inteira trabalhando para deixar a cidade transitável", afirmou. "O trabalho de manutenção e limpeza dos piscinões também está sendo feito corretamente e o nível deles já baixou", apontou. "Estamos preparados para uma nova chuva", assegurou o prefeito.Kassab explicou que a Prefeitura de São Paulo teve uma ação preventiva muito intensa, o que, segundo ele, evitou que os problemas das enchentes se agravassem ainda mais. O prefeito declarou, por outro lado, que a população poderia colaborar mais, evitando, por exemplo, jogar ou deixar lixo nas ruas antes da coleta.O prefeito ressaltou ainda que a administração municipal está monitorando todas as 600 áreas de risco na capital paulista. "Todas as áreas de risco estão sendo mapeadas. Na medida em que a chuva chega, equipes das subprefeituras se preparam para entrar em comunicação com todas essas áreas", frisou.TranstornosA chuva voltou a provocar transtornos em São Paulo na madrugada desta terça-feira. O trânsito na Marginal do Pinheiros teve que ser bloqueado no sentido Santo Amaro/Jaguaré por causa do alagamento da pista local. A área só foi liberada por volta das duas horas.Duas faixas da Avenida Rio Branco, na região central da cidade, que ficaram fechadas devido ao alagamento provocado pela chuva de segunda-feira, foram liberadas às oito horas desta terça-feira.No Jardim Petrópolis, na zona sul da capital paulista, um córrego que passa por baixo da Rua Capitão Felisbino de Morais transbordou e inundou várias ruas. Um veículo que passava pelo local no momento do temporal foi abandonado pelo motorista. A chuva ainda derrubou o muro de seis residências.O médico Cláudio Rossi, proprietário de uma das casas atingidas pela enxurrada e que mora na região há 25 anos, falou que num determinado instante a quantidade de água era tamanha que chegou a formar uma "onda" antes de danificar seu imóvel.Já no Jardim Peri, zona norte de São Paulo, os moradores perderam vários pertences e alimentos. Na Avenida Parada Pinto, um muro caiu e a lama invadiu a via. Na região oeste, uma árvore caiu durante a chuva na esquina das avenidas Doutor Arnaldo e Sumaré, deixando os moradores sem energia elétrica.O conjunto aquático do São Paulo Futebol Clube, na zona sul paulistana, amanheceu completamente alagado e com lama e sujeira tomando conta das piscinas. Até a reforma do gramado do Estádio Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi) foi prejudicada pela tromba d´água que assolou aquela região. Esta matéria foi alterada às 09h19 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.