Chuva faz Campinas derrubar casa e interditar mais 9

A Coordenadoria Regional de Defesa Civil em Campinas, interior de São Paulo, demoliu preventivamente uma casa em Campinas nesta sexta-feira, 5, interditou outras nove residências na região e suspendeu folgas de 53 funcionários temporariamente por causa dos estragos causados pelas chuvas registradas na última semana. Nesta sexta não houve registros de feridos ou mortos na região. Um menino de 6 anos morreu na quinta, em Jundiaí, vítima de um soterramento. Seu irmão, de 6 meses, ainda estava na UTI do Hospital Universitário da cidade, em estado grave, até o início da noite desta sexta. A coordenadoria regional mantém Jundiaí em estado de alerta.A Defesa Civil registrou deslizamento de terra e queda de muro na Vila Santana, na madrugada desta sexta. O barranco atingiu uma residência, mas ninguém ficou ferido. Outra queda de muro foi registrada em uma casa no Jardim da Fonte, também sem vítimas.Campinas, Hortolândia, Pedreira, Amparo, Socorro, Campo Limpo, Serra Negra, Rio Claro, Jarinu, Indaiatuba, Várzea Paulista, Lindóia, Nazaré Paulista, Valinhos e Sumaré estão em estado de atenção, decretado em locais em que o índice de chuva ultrapassa os 80 milímetros em até três dias.Segundo informou o coordenador regional da Defesa Civil, Sidney Furtado, nesses locais a atividade é preventiva. "Intensificamos as vistorias. Só em Campinas, vistoriamos oito locais com risco de desabamento nesta sexta", afirmou. Uma casa foi interditada e outra, demolida, no bairro 5 de Março. Na quinta, a Defesa Civil registrou 17 pontos de alagamento na região sudoeste da cidade.Em Hortolândia, seis residências com risco de desabamento foram interditadas, três no Parque Perón e as outras no bairro Orestes Unga, Jardim São Bento e Jardim Conceição. Em Valinhos, a Defesa Civil registrou quatro pontos de alagamento em vias públicas e dois deslizamentos de terra no Jardim América. Em Indaiatuba, duas casas com risco de desabamento no Jardim Furlan foram interditadas. Em Atibaia, o córrego Ribeirão da Folha Larga transbordou e atingiu moradias de 150 famílias.As equipes da Defesa Civil na região de Campinas trabalham em sistema de prontidão, com reforço nas equipes de rua e apoio de outros 55 funcionários das secretarias da cidade. "Há preocupação, pois há risco. O solo está saturado", afirmou Furtado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.