Chuva faz Nova Iguaçu decretar situação de emergência

Depois de um temporal que matou duas pessoas, entre elas uma menina de três anos, e deixou 118 desalojados e 56 desabrigados, o prefeito de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, Lindberg Farias, decretou estado de emergência e pediu a ajuda do Exército para ajudar as vítimas.Em todo o Estado, de acordo com o Corpo de Bombeiros, as chuvas deixaram 23 vítimas com ferimentos leves, 151 desalojados e 68 desabrigados. O Comando do Exército autorizou a atuação do Batalhão Escola de Engenharia, capacitado para construir pontes, reconstruir casas e desobstruir vias. Na tarde desta quinta, o tenente-coronel do Exército José Maurício da Rocha Silva percorreu com o prefeito as áreas mais atingidas pelo temporal, a fim de avaliar quantos homens e quais ações serão necessárias."O Exército pode nos ajudar em diversos trabalhos, como distribuição de cestas básicas e de colchonetes, no atendimento à população. Será possível nos ajudar a reconstruir rapidamente a cidade, especialmente na drenagem e pavimentação", disse Lindberg Farias. "Não sei como agradecer a ajuda do Corpo de Bombeiros, mas a situação é dramática em tudo o que é bairro e precisamos de mais recursos humanos", explicou.As duas mortes aconteceram por afogamento na quarta-feira, no bairro da Posse, onde a Defesa Civil registrou o maior número de ocorrências. A menina Ana Carla Barbosa de Assis estava numa creche, que inundou de repente quando o rio subiu. Com ela, estavam outras 50 crianças, que conseguiram se salvar. A creche funcionava no térreo de uma casa de dois andares e ficava na beira de um valão. O marido da dona da creche, Orlando Pires, de 30 anos, disse que a água rompeu o muro e inundou as cinco salas de aula. "Foi igual a uma tsunami. O que facilitou foi que todas elas estavam numa única sala, poderia ter sido pior", contou ele, que disse ter recebido a ajuda de vizinhos para socorrer as crianças. Um homem identificado com o Anderson Farias de Oliveira, de 20 anos, foi encontrado morto no Rio Palu. Segundo a Defesa Civil, o rapaz caiu no rio na altura do bairro da Posse, mas só foi resgatado em Botafogo, bairro vizinho. Ele e Ana Clara chegaram a ser levados com vida para o Hospital da Posse, mas não resistiram e morreram. Chuva no EstadoO mau tempo causou transtornos em todo o Estado. Outros municípios da Baixada, como Belford Roxo e Queimados, e a região serrana foram bastante atingidos. Em Teresópolis, um abrigo construído para socorrer desalojados desabou. Não houve feridos. Em Petrópolis, quatro imóveis foram parcialmente atingidos por deslizamento. Um dos deslizamentos atingiu uma casa na Rua Amaral Peixoto, no bairro Quitandinha, causando escoriações leves à moradora Sandra de Oliveira Silva. Oito imóveis também foram interditados preventivamente no Quitandinha, Alto Independência e São Sebastião, locais de Petrópolis que mais sofreram com o mau tempo.Na capital, choveu o dia inteiro. Foram registradas 61 ocorrências, a maioria relativas a inundações de casas, alagamento de ruas, árvores tombadas e queda de barreiras. Não havia registro de vítimas até o início da noite de ontem. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet)mantém o alerta de fortes chuvas até hoje. A previsão para sexta-feira é de que a chuva diminua e a temperatura suba, provocando novas pancadas de chuva no sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.