Chuva forte e raio provocam mortes no Paraná

Um homem morreu arrastado pelas águas de um córrego em Curitiba, na noite de quarta-feira, 25, enquanto outro foi vitimado por um raio em Imbituva, a 170 quilômetros de Curitiba, no sul do Paraná. Eles foram as maiores vítimas das chuvas e da instabilidade climática que tomou contra do Estado desde a tarde de quarta-feira.Em muitas cidades, as águas ficaram represadas e alagaram casas. Algumas pessoas precisaram abandoná-las e foram atendidas em abrigos públicos ou se alojaram em casas de parentes e amigos. Em Curitiba, a chuva forte provocou transtorno no trânsito.De acordo com a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros, em Curitiba, o guardador de carros Alberto Chaves, de 43 anos, estava nas proximidades da Arena da Baixada, onde o Atlético Paranaense jogaria, orientando um motorista que estacionava. Chovia muito e provavelmente Chaves perdeu o equilíbrio caindo nas águas de um córrego, que transbordara. O corpo foi encontrado na manhã desta quinta no Rio Belém, a cerca de 6 quilômetros do local onde desaparecera.Em Imbituva, a delegacia não tinha detalhes sobre a morte de José Claudinei de Andrade, atingido pelo raio na zona rural. Ele completaria 36 anos nesta quinta.A Defesa Civil informou que as chuvas atingiram principalmente municípios da região sudoeste do Paraná. O prefeito de General Carneiro, Juarez Martins Ferreira, decretou estado de emergência. O Rio Turino subiu 1,5 metro e alagou as casas de cerca de 300 pessoas. Elas foram abrigadas em um colégio estadual e no ginásio de esportes.Na zona rural, a chuva danificou estradas e 15 pontes. Em Santo Antonio do Sudoeste, duas casas desabaram e outras ficaram alagadas. Em Salto do Lontra, o Rio Lontra subiu e deixou 386 pessoas desabrigadas. Elas foram levadas para o Centro Social Urbano. Em Campo Bonito, três rios que cortam a cidade transbordaram e alagaram cerca de 70 casas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.