Chuva mata e Bebedouro decreta calamidade pública

A forte chuva (172 milímetros, segundo a Casa da Agricultura local) que caiu em Bebedouro, na região de Ribeirão Preto, durante quase três horas, na noite de quarta-feira, provocou a morte de um homem e o desaparecimento de outro - ambos foram arrastados por uma enchente que se formou. Devido aos estragos causados, o prefeito Hélio de Almeida Bastos (PMDB) decretou nesta quinta estado de calamidade pública no município. Pelo menos 120 pessoas ficaram desabrigadas (de 40 casas invadidas pelas águas) e quatro pontes, muros, árvores e postes de energia caíram. Vários carros foram arrastados pelas águas. O principal ponto turístico, o Museu Eduardo André Matarazzo de Armas, Veículos e Máquinas, teve o rompimento da parede e os 92 carros antigos ficaram submersos. Uma chuva tão forte não ocorria desde 1983, quando a mesma região dos lagos, no centro, ficou alagada após 140 milímetros de chuva. O aumento do volume de água na quarta provocou o rompimento das adutoras do município, que transbordaram o córrego Bebedouro, que cruza a cidade, provocando enchentes no terminal rodoviário e até no museu. Houve ainda interrupção de fornecimento de água nas regiões sul e leste da cidade. Nesses pontos, serão necessários dois os três dias para a regularização do fornecimento. Calçadas e asfaltos também foram destruídos. Nesta quinta a comunidade se mobilizou para limpar as ruas dos estragos. A chuva começou por volta das 19h30 e estendeu-se até as 22 horas, atingindo principalmente o Jardim Laranjeiras, o bairro De Lúcia e o centro. Nas cerca de 40 casas invadidas pelas águas, nada restou. Os 120 desabrigados foram para casas de parentes ou amigos. O Corpo de Bombeiros resgatou 69 pessoas das águas. Outras cidades também sofreram com a chuva da quarta. Em Ribeirão Preto, mais de 50 moradores da Favela do Brejo foram retirados do local pela Defesa Civil e levados para casas de parentes ou a um órgão municipal. Alguns bairros tiveram problemas com energia elétrica. O córrego da Avenida Francisco Junqueira, no centro, voltou a transbordar, provocando congestionamento no tráfego em alguns pontos. Em Jaboticabal, quatro pontos foram afetados pela chuva, inclusive parte de uma rodovia, mas sem vítimas. Em Franca, um armazém e cinco residências ficaram alagados e duas famílias foram retiradas de suas casas devido ao risco de desabamento.

Agencia Estado,

09 Fevereiro 2006 | 18h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.