Chuva não ameniza estiagem no Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul está passando por uma semana de chuvas mal distribuídas, que, apesar de torrenciais em algumas regiões, ainda não aliviaram a vida dos moradores dos 15 municípios que estão em situação de emergência e dos três que estão sob racionamento de água por estiagem.Na serra, temporais e precipitações superiores a 100 milímetros elevaram o nível do rio das Antas em sete metros, interrompendo a travessia de balsas entre Nova Pádua e Nova Roma do Sul nesta quarta-feira. Em Bagé, na zona sul, a chuva foi fraca e não alterou o nível baixo das três barragens de captação de água. Os 120 mil moradores enfrentam suspensões do abastecimento por seis horas diárias.O racionamento também prossegue, à noite, em duas cidades do noroeste do Estado. Em Alegria, a expectativa é por mais dois dias de chuva para mudar a situação. Em Trindade do Sul, o prefeito Carlinhos Tonet (PDT) admite que o município precisará de mais tempo e de mais precipitações para voltar ao ritmo normal. Por enquanto, as comunidades atendidas por redes públicas ficam sem água das 23 horas às 6 horas do dia seguinte. As demais são abastecidas com caminhões-pipa enquanto seus poços estiverem secos. "A chuva foi insuficiente", avalia o prefeito.O capitão Cincinato Fernandes Neto, da Defesa Civil, acredita que alguns dos 15 municípios que estão em situação de emergência serão beneficiados pelas chuvas desta semana. Os números estão melhorando desde maio e caem, mesmo que parcialmente, quando há episódios de chuvas fortes. O Estado já teve, neste ano, 84 municípios em situação de emergência e seis sob racionamento de água.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.