Chuva obriga 2.700 moradores a deixar suas casas no Rio

Algumas cidades da Baixada Fluminense foram inundadas após rios e córregos transbordarem; 3 já morreram

Solange Spigliatti, Central de Notícias

13 Novembro 2009 | 10h54

Levantamento feito na manhã desta sexta-feira, 13, pela Coordenação da Defesa Civil do Estado do Rio, mostra que cerca de 2.733 pessoas estão fora de casa por causa das inundações provocadas pelo transbordamento de córregos e rios na Baixada Fluminense.

 

Veja também:

linkChuva provoca desabamentos que matam 2 em Juiz de Fora

 

A cidade de Três Rios, no centro-sul fluminense, é a mais afetada. Foram contabilizados 1,5 mil desalojados e 40 desabrigados no município. Em Duque de Caxias, permanecem 80 pessoas desalojadas e 25 desabrigadas. Já em Belford Roxo, o total de desalojados é de 471, enquanto que o número de desabrigados é de 110.

 

Em Nova Iguaçu, onde três pessoas morreram, 120 pessoas permanecem desalojadas. Em Tanguá, na Região Metropolitana II, existem 193 desalojados. De acordo com o balanço, em Valença, no Médio Paraíba, 148 pessoas estão desalojadas e 19 desabrigadas. Na região noroeste, em Natividade, 27 pessoas permanecem desalojadas.

 

Situação de Belford Roxo na quinta-feira, parcialmente debaixo d'água. Foto: Divulgação/Governo do Rio

 

As três vítimas das fortes chuvas desde quarta são o agricultor José Severino de Frias, de 48 anos, e seus filhos Jhonatan José da Silva Frias, de 19, e Jenifer Maria da Silva, de 15. Eles morreram quando a encosta pelo do local onde moravam desabou. A mãe dos rapazes e outro irmão sobreviveram e estão internados.

 

De acordo com a Defesa Civil do Rio, em nove horas choveu 70% do volume previsto para todo o mês na região. Os municípios de Belford Roxo e Duque de Caxias decretaram estado de calamidade pública. As cidades receberão R$ 70 milhões para obras de emergência: R$ 45 milhões da União e R$ 25 milhões do governo estadual.

 

(Com Pedro Dantas, de O Estado de S.Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.