Chuvas castigam cidades do Espírito Santo

Mais da metade dos municípios do Espírito Santo - 41 das 78 cidades - está em estado de calamidade pública por causa da chuva, iniciada há uma semana. Doze pessoas morreram e 5.114 mil perderam suas casas. Hoje o tempo melhorou em Vitória, mas a situação é crítica no interior, de norte a sul do Estado. Começam a faltar alimentos e água potável em algumas localidades. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) informou que a frente fria que estava estacionada na região já se deslocou para o leste da Bahia e que não deverá chover amanhã. Nos últimos dez dias, o índice pluviométrico no Espírito Santo foi maior do que a média registrada em todo o mês de novembro em anos anteriores. A região norte é a mais castigada. Em Linhares, o Rio Doce transbordou e deixou muitas famílias ilhadas. Em Soretama, não há mais água potável para consumo e em Jaguaré faltam alimentos nas prateleiras dos supermercados. O maior número de desabrigados concentra-se no município de Serra, onde 304 pessoas perderam suas casas.Escolas públicas estão sendo utilizadas para abrigar os desalojados. Donativos, como roupas e alimentos, estão sendo recebidos pelo governo capixaba. No norte do Estado, municípios estão isolados por causa das péssimas condições das estradas. A rodovia BR-101 Norte é a mais afetada pelas chuvas - três crateras na pista impedem o tráfego de veículos desde o início da semana por causa da queda de uma barragem.A estrada estadual ES 130, que liga os municípios de Pinheiros e Montanha, não resistiu às chuvas e acabou rompida pelas águas - uma cratera de cerca de 60 metros foi aberta perto do município de Vinhático. A abertura interrompeu o tráfego de veículos entre os dois municípios e ainda isolou as cidades vizinhas de Mucurici e de Ponto Belo. O Departamento Nacional de Estradas e Rodagem (DNER) estima que as obras de reparo custarão R$ 3 milhões.Hoje a Defesa Civil do Estado recebeu mais de 400 chamados, a maior parte de moradores de áreas onde há risco de deslizamento de terra. A Marinha cedeu um helicóptero ao governo para o sobrevôo das regiões mais atingidas, para que o socorro fosse mandado. Na quarta-feira, um outro aparelho já havia sido cedido pelo Exército. O governador José Inácio Ferreira está contando com o auxílio das Forças Armadas para atender à população.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.