Chuvas causam 4 mortes na região de Jundiaí

O temporal que atingiu a região de Jundiaí nas primeiras horas de hoje causou quatro mortes e deixou centenas de desabrigados. O Corpo de Bombeiros atendeu a mais de 100 ocorrências apenas na madrugada. De acordo com a empresa DAE S/A, em quatro horas choveu 94 milímetros. Esse índice é superior a todo o mês de janeiro, que foi de 92 milímetros. Duas favelas de Jundiaí foram as mais prejudicadas: o Parque Xangai e o Jardim Sorocabana, com pelo menos 500 barracos danificados. Os desabrigados estão sendo acolhidos por vizinhos e a Defesa Civil informa que as famílias vão receber ajuda para a reconstrução de suas casas. A Prefeitura de Jundiaí realizou a compra emergencial de mil cestas básicas e 600 colchões para atender as vítimas. Até mesmo em bairros de classe média, como Vila Progresso e Agapeama, houve alagamentos. Nas favelas a cena é de total destruição: móveis, eletrodomésticos, roupas e alimentos sendo jogados fora. Na rua Clodoaldo Poli, na Vila Jundiainópolis, a força das águas derrubou paredes de várias casas, os paralelepípedos foram retirados da via e uma perua Kombi foi arrastada pela enxurrada por 200 metros. O morador Osmar Freire contou que as águas chegaram a 2 metros de altura.No Jardim do Lago, o asfalto foi destruído na rua Rachid Jorge Cury. A Marginal do rio Jundiaí teve de ser interditada para o tráfego de veículos, no sentido de Várzea Paulista, por causa da lama. O bairro do Varjão teve sua principal ligação com a cidade bloqueada, porque a ponte está ameaçada de desabar. Na Colônia, uma passarela de pedestres foi levada por causa do transbordamento de um córrego.Em Várzea Paulista quatro pessoas morreram porque os carros onde elas estavam - um Gol e um Ômega, este com placa de Campinas - foram arrastados pelas águas. Morreram Benedito Lázaro Furnameto, de 34 anos, Ana Paula Pontes, de 21 anos, Aline de Pontes Pereira, de 16, e Edvan Novaes Rego. Até o prédio da prefeitura ficou alagado. A Indústria Têxtil Advanced suspendeu as atividades porque a lama invadiu a fábrica. A cidade teve o fornecimento de água tratada prejudicado. Em Itupeva, três bairros ficaram alagados com o transbordamento do rio Jundiaí: Mina, Marqui e Alegria, mas não há desabrigados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.