Chuvas causam interdição em dez rodovias no Estado de SP

Dez rodovias continuavam interditadas nesta terça-feira, 9, em todo o Estado de São Paulo, em conseqüência das chuvas dos últimos dias. Dessas, oito estradas foram fechadas completamente ao trânsito até a conclusão das obras de recuperação, com prazo indefinido. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) providenciou desvios ou rotas alternativas para os motoristas. Em duas rodovias, a interdição é parcial e o tráfego foi mantido de forma precária. Os trechos foram sinalizados. A situação é mais crítica na rodovia Marechal Rondon (SP-300), onde uma galeria rodou no km 191,5, município de Conchas, região de Sorocaba. Os veículos estão sendo obrigados a uma volta de mais de 40 km pela rodovia Castelo Branco. Uma erosão interditou a SP-129, no km 14,5, em Boituva, na mesma região. O tráfego está fluindo por um desvio no local. No município de Reginópolis, região de Bauru, a cabeceira de uma ponte rodou no km 110 da SP-331. O trânsito foi desviado para estradas vicinais. Uma enchente levou parte da SP-245/333, no acesso a Pongaí, na mesma região. Para chegar à cidade, os veículos estão usando estradas vicinais.Oeste do EstadoNo oeste do Estado, a erosão atingiu toda a extensão da SP-421, em Paraguaçu Paulista. O acesso a Borá está interrompido. Em João Ramalho, a pista única da SP-284 rompeu totalmente no km 503. A SP-338 está obstruída no km 326, em Altinópolis, pela queda de uma grande barreira. Já na SP-195/387, acesso a Getulina, uma linha de tubos rodou levando o asfalto. A Rodovia Raposo Tavares (SP-270) está parcialmente interditada no km 604, altura de Santo Anastácio, região de Presidente Prudente. A SP-360 tem interdição parcial por causa de uma erosão próximo de Águas de Lindóia.De acordo com a assessoria do DER, algumas obras vão exigir a abertura de licitação para os reparos. Nas rodovias federais que cortam São Paulo, não havia, até o final da tarde desta terça, trechos interditados, mas as chuvas agravaram as condições de conservação. Na Transbrasiliana (BR-153), que corta o centro do Estado, motoristas trafegam pelo acostamento por causa das crateras. Também há trechos esburacados na Fernão Dias (BR-381) e na Régis Bittencourt (BR-116). O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) autorizou a contratação de pessoal para o serviço de tapa-buracos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.