Chuvas causam prejuízos de R$ 200 milhões

Já somam R$ 200 milhões os prejuízos provocados pelas chuvas em todo o Brasil, segundo o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes. Ele informou que o total de pessoas desabrigadas chega a 76.338. O Nordeste é a região mais prejudicada, especialmente os estados do Piauí e Pernambuco. No Piauí, o número de desabrigados chega a 17.830 e o contingente de desalojados a 18.471. Em Pernambuco, há 7.537 desabrigados e 1.731 desalojados. O ministro classifica como desabrigadas as pessoas que perderam suas casas, mas já estão abrigadas noutro local e desalojadas aquelas que ainda não estão em abrigos.O governo liberou R$ 32 milhões para ações a serem desenvolvidas emergencialmente - em uma primeira fase, de reparação dos danos. Nessa fase, as vítimas das cheias estão sendo assistidas com alimentos, medicamentos, água potável e medidas de resgate das pessoas que se encontram isoladas pelas enchentes. Até o momento, foram liberados 32.797 cestas básicas, sendo, cada uma, suficiente para alimentar uma família de cinco pessoas por um período de duas semanas. O Ministério da Saúde distribuiu 2.500 quilos de medicamentos contidos em 411 ´kits´ com produtos para o combate de doenças típicas do período das chuvas, como a leptospirose e a cólera."Não há reservas para atender as vítimas nessa fase. Os 32 milhões de reais são mais que suficientes, e, se for necessário reforçar, será reforçado", disse o ministro. Ciro Gomes destacou que uma segunda fase será implementada após o término das chuvas. Ele informou que ainda não é possível estimar quanto o governo destinará para recuperação ou construção de novas casas e, também, com a recuperação de estradas, além de outras obras de infra-estrutura necessárias.Mas salientou que essas providências só serão tomadas após estudos de viabilidade dos projetos. "Este esforço de recuperação tem que ser feito fora de uma lógica de emergências", afirmou Ciro Gomes, frisando que o governo não vai reconstruir casas em locais de riscos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.