Chuvas colocam em risco patrimônio histórico de Iperó

As chuvas estão elevando o risco de desabamento de um conjunto de 11 construções datadas dos séculos 18 e 19 e tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão do Ministério da Cultura, em Iperó, na região de Sorocaba. O sítio arquitetônico, que faz parte da Real Fábrica de Ferro de São João de Ipanema, primeira siderúrgica brasileira, foi alagado pelas enchentes da bacia do Rio Sorocaba na semana passada. Os danos causados pela enxurrada estão sendo avaliados por um técnico contratado pelo Iphan.Algumas construções, como a Serraria, construída em 1811, e a Segunda Usina de Refino, de 1840, já estavam ameaçadas dedesabamento. As águas colocaram em risco a Represa de Hedberg, de 1811, a mais antiga do Brasil, cujas comportas tiveramde ser abertas para evitar o rompimento. Funcionários do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e do Centro Tecnológico da Marinha foram mobilizados para desobstruir os canais de passagem, entupidos pelos aguapés, evitando que as águas passassem sobre o aterro. Houve o alagamento da Fábrica de Armas Brancas, um edifício de pedras com 2,4 mil metros quadrados que produziu armas para a Guerra do Paraguai, e da Casa da Guarda, edificada entre 1835 e 1842. A enchente atingiu o pórtico de ferro fundido em 1841 para comemorar a maioridade do imperador Pedro II, os altos-fornos geminados, de 1818, e o alto-forno Mursa, construído em 1878 e 1885. Partes dessas construções estão se desprendendo. Como as chuvas persistem, o risco de desabamento continua. O sítio histórico fica no interior da Floresta Nacional de Ipanema (Flona), administrada pelo Ibama. A direção da Flona entrou em contato com o Iphan alertando para a possibilidade de perda definitiva do patrimônio. Um dos bens ameaçados, segundo o Ibama, são as ruínas das primeiras forjas de ferro erigidas em solo americano por volta de 1589 por Afonso Sardinha. O órgão elaborou uma proposta para a recuperação do patrimônio pela iniciativa privada. O projeto vem sendo analisado há cerca de um ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.