Chuvas deixam 5,4 mil desalojados no Paraná

Segundo Defesa Civil, 45 mil curitibanos estão sem fornecimento de energia elétrica

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2010 | 18h17

A Defesa Civil do Paraná contabilizava, até a tarde desta sexta-feira, 23, cerca de 22 mil paranaenses sofrendo diretamente as consequências das chuvas fortes que começaram a cair na quinta-feira e provocaram principalmente danos às residências. Desses, 5,4 mil estavam em abrigos públicos ou em casas de parentes e amigos, de acordo com boletim distribuído às 17h15. Além deles, o órgão estadual citava 45 mil curitibanos sem fornecimento de energia elétrica. A Companhia Paranaense de Energia (Copel) disse que, até o fim da tarde, 7,8 mil domicílios estavam sem luz.

 

Em Cascavel, no oeste, havia o único registro de pessoa ferida em decorrência de ventos. Um portão atingiu a cabeça de um homem. Ele foi internado, mas não corria risco de morte. As estações meteorológicas registraram ventos com cerca de 100 quilômetros por hora no início da madrugada de hoje na cidade. No aeroporto, um avião da Trip, com capacidade para 68 passageiros, que estava estacionado, girou na pista. A cauda da aeronave ficou danificada, em razão do choque com uma telha. Partes do saguão e de hangares particulares tiveram as coberturas arrancadas e a pista ficou interditada até por volta das 10 horas. Em Cascavel, 80 casas foram destelhadas.

 

Outra situação delicada foi enfrentada em Francisco Beltrão, no sudoeste, onde rios transbordaram e obrigaram 950 pessoas a deixarem as casas. Parte delas precisou de auxílio da prefeitura para ser abrigada. Em General Carneiro, no sul do Paraná, as águas formaram um rio com cerca de 1,5 metro de profundidade no centro da cidade e levaram 130 pessoas a abandonarem as residências. Em Prudentópolis, também na região sul, o trevo de acesso à cidade foi interditado na BR-277, pois o asfalto cedeu abrindo um buraco com cerca de 2 metros de largura.

 

Em municípios da região metropolitana de Curitiba, como Pinhais, Colombo, Almirante Tamandaré e Araucária, as tempestades provocaram alagamentos em várias ruas, dificultando o tráfego de automóveis. Em alguns locais, o acesso era feito apenas por meio de barco. O maior problema foi sentido por cerca de 4,2 mil moradores de Colombo, dos quais 300 precisaram de abrigo público e o restante foi para a casa de parentes ou conhecidos.

 

De acordo com a Copel, durante a noite de quinta-feira, mais de 155 mil domicílios acusaram falta de energia elétrica em Curitiba e região metropolitana. Na tarde de ontem, 7,8 mil ainda estavam sem o fornecimento, em razão de danos à estrutura da rede, provocados por queda de postes e árvores. Caso a chuva desse uma trégua, a estimativa era de que as 270 ocorrências pendentes pudessem ser solucionadas durante a noite. De acordo com o Instituto Tecnológico Simepar, é possível haver chuvas leves neste sábado, 24.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.