Chuvas deixam mais de 3 mil desabrigados no RJ

Cerca de 3.200 pessoas ficaram desabrigadas no noroeste fluminense por causa das fortes chuvasque atingiram a região na madrugada desta terça-feira. Rios transbordaram, invadindo casas, e barreiras e pontes caíram. O prefeito de Bom Jesus de Itabapoana, um dos municípios mais atingidos, Miguel Motta (PSB), decretou estado de calamidade pública.De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet-Rio), o índicepluviométrico alcançou 64,4 milímetros em 24 horas - o equivalente a um terço do que é esperado para todo o mês de janeiro. No Espírito Santo, uma pessoa morreu, atingida por umraio na noite desta segunda-feira.Em Bom Jesus de Itabapoana, 600 famílias tiveram de abandonar suas casas, depois que o Rio Itabapoana transbordou, invadindo as residências. O bairro Santa Rosa foi totalmente alagado - uma barragem que serviria para evitar enchentes serompeu em 26 de dezembro e não foi recuperada a tempo. Houve pelo menos 40 quedas de barreiras e seis casas desabaram parcialmente, mas ninguém ficou ferido.Uma das áreas mais atingidas foi a Usina Santa Isabel, onde moravam 120 famílias. "É o pior local, o mais afetado. Estamos praticamente em estado de calamidade pública", afirmoua secretária de Promoção Social e primeira-dama do município, Branca Motta. Uma equipe da Defesa Civil Estadual viajou de helicóptero até a cidade. "Vamos precisar de recursos estaduaise federais para recuperar estradas e pontes", afirmou o prefeito, Miguel Motta.Em Itaperuna, 800 pessoas foram desalojadas no bairro Cehab, um dos mais populosos da cidade. Um valão que corta o bairro encheu rapidamente entre 10 horas e o meio-dia desta terça, inundando casas. As pessoas ficaram isoladas e só conseguiamdeixar a área em barcos.Duas escolas municipais foram transformadas em abrigos. No início da tarde, o Rio Muriaé, quecorta a cidade, começou a transbordar e invadiu a Avenida Beira-Rio, paralela à principal via da cidade, a Avenida Cardoso Moreira.A chuva castigou ainda a cidade de Natividade. O Rio Carangola atingiu o nível máximo - 4,5 metros - às 16 horas desta terça e havia risco de transbordamento. Houve deslizamentos debarreiras e seis famílias ficaram desalojadas.O sul do Espírito Santo também foi atingido pelotemporal. Em Presidente Kennedy, Denilda Fernandes, de 45 anos, morreu ao ser atingida por um raio. Cem famílias estão desabrigadas e a ponte de acesso ao interior caiu. A meteorologia prevê mais chuvas para a região. O tempo só deve melhorar a partir da próxima quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.